Polícia não vai baixar o preço do arroz. Nem do resto

O governo diz que está investigando o aumento do preço do arroz, atrás de supostas manipulações do preço do produto.

Claro que é inócuo e já não estamos mais nos anos 50, quando os atacadistas – na época, com o apelido de “tubarões da Rua do Acre”, onde vários deles tinham sede, no Rio – quando escondiam-se as sacas do cereal em galpões.

É só olhar o gráfico publicado hoje na Folha para ver que tudo subiu e a exceção das carnes só ocorre porque seu grande pique de alta foi dezembro, o que a deixou estável – e cara – em 2020.

O nome do aumento é dólar, “produto” que subiu 30% desde o início do ano.

Há, sim, outros fatores que contribuem, como o auxílio-emergencial e a perda dos estoques reguladores governamentais, mas a inflação dos preços do atacado.

O Índice Geral de Preços da Fundação Getúlio Vargas, divulgado hoje, marcou uma alta de 4,41%, puxado pelo Índice de Preços do Atacado: 6,14% em um mês, acumulando alta de 20,4% no ano.

E, no atacado, a subida ainda é mais forte nos produtos agropecuários: 7,16% no mês, 26,17% desde janeiro e 39,59% acumulado em 12 meses.

É óbvio que isso vai se refletir nos preços ao consumidor, que não se sustentam nos baixos índices que ainda remanesce, na faixa de 0,3% ao mês.

No grau de abertura da economia brasileira, sobretudo desde que se adotou a liberdade cambial, preços sempre guardarão relação com o valor do dólar e a conta exportação x mercado interno.

Enquanto o dólar se mantiver no patamar atual, não haverá refresco nos preços internos. Ao contrário, ele tenderá a seguir subindo, até ser contido pela inevitável queda do poder de compra que virá adiante, com o fim das medidas emergenciais.

Os preços vão baixar por falta de consumidor, não pela polícia nos silos de armazenamento, infelizmente.

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on email
Email

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.