Porque não creio em “arrancada” de Alckmin

Há muita gente, e  não neófita em política, que acha que o início da propaganda de rádio e televisão fará Geraldo Alckmin saltar posições nas pesquisas que hoje o colocam em quarto e até quinto Lula, atrás de Lula, Bolsonaro, Marina e, às vezes, Ciro Gomes.

Não vejo assim, embora concorde que algo vai tirar de sua ampla exposição, ocupando 40% do tempo de TV e das inserções.

Cita-se, para justificar esta expetativa de “arrancada”,  como exemplo a ascensão meteórica de João Dória, em 2016, que tinha, a esta altura, apenas um pouco mais do que Alckmin apresenta nas pesquisas.

Para mim, as semelhanças param por aí.

O desgaste do PSDB, na eleição de Dória era imensamente menor. Tanto que em setembro de 16, Aécio Neves aparecia no programa do então candidato tucano como  seu  cabo eleitoral.

Já o inferno astral do PT, com o impeachment de Dilma estava em seu auge.

Doria era uma novidade; Alckmin é um dejà vu.

Naquele momento, tinha 50% de desconhecimento e rejeição de 22%, menos da metade que seu então padrinho tem agora nas pesquisas mais generosas com ele. Nas mais azedas, tem o triplo.

O ex-apresentador de televisão, no momento de maior desgaste dos políticos, apresentava-se como “não político”, apenas gestor.

Alckmin não tem como repetir esta estratégia.

O eleitorado da capital paulistana é, sob quase todos os aspectos, diferente do eleitorado nacional.

O desempenho televisivo de Doria, um profissional da área, é incomparavelmente melhor que o de Alckmin.

Não havia um Bolsonaro em seu quintal.

E não havia um Lula, como há agora, a polarizar o eleitorado nacional e a perspectiva de, pela sua mão, crescer a identificação de Fernando Haddad como seu eventual substituto.

Não existe, a meu ver, possibilidade para Alckmin crescer senão um murchar súbito de Bolsonaro, o que parece difícil de acontecer.

Mas, se acontecer assim, no es lo mismo, pero es igual no primeiro turno.

O segundo, como sempre, é outra história, seja com quem for.

 

 

 

 

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on email
Email

33 respostas

  1. “O eleitorado da capital paulistana é, sob quase todos os aspectos, diferente do eleitorado nacional”.
    Brito, parabéns pelo seu comedimento. Eu já não sou tão comedido assim e afirmo: o eleitorado paulistano e paulista é burro mesmo.

    1. Não sou paulista e não acho que só o eleitorado paulista seja burro, acho que nacionalmente há uma burrice generalizada mas há também uma falta de opções, é só olhar o Rio de Janeiro e seus candidatos.

      1. burrice generalizada. de norte a sul.
        aqui no paraná, beto richa, por exemplo. tirou o convênio dos ônibus metropolitanos, pq o povo não elegeu o amiguinho dele. passados 4 anos, elegeram o amigo da vez, e voltou o convênio.
        ou seja o povo foi castigado com passagem mais cara por 4 anos.

        reelegeu a desgraça como governador, e mesmo com as acusações, vai elege-lo senador.

    2. E fato, a burrice politico-eleitoral não é privilegio nosso mas esta ja longa demais, grudenta e autoflagelante demais.

  2. A única gestão do Dória é dizer “você está demitido”. Essa frase deve encher o ego desse sujeito.

  3. Não será a atuação de al-ckmin diante das câmeras ou a qualidade estética e técnica dos programas do psdb que causarão a arrancada. Eles apenas servirão de pretexto para justificá-la, tenho certeza. A arrancada se dará com manipulação de pesquisas e a vitória, se vier, se dará pelas obras dos Magos da Informática & Suas Urnas Eletrônicas.

  4. Todas as pesquisas dizem que Bolsonaro perde para qualquer um no segundo turno. Alkimin vai lutar para chegar em terceiro, torcer para Lula ser impugnado após o primeiro turno ou após o enxerto das urnas(consequentemente após 20/09), aí ele irá ao segundo turno contra Bolsonaro.
    Faltou combinar com o Lula, que é pragmático até na prisão.

  5. BOMBA!

    ***

    SUPREMO VOLTARÁ A DISCUTIR LIBERDADE DE LULA

    Ministro Edson Fachin, relator da Lava Jato no STF, liberou para o plenário nesta segunda-feira 27 o julgamento do recurso ao habeas corpus negado ao ex-presidente em abril, antes de ele ser preso; de acordo com o site do Supremo, o julgamento será virtual e acontecerá entre os dias 7 e 13 de setembro

    27 DE AGOSTO DE 2018 ÀS 21:11

    (…)

    FONTE: https://www.brasil247.com/pt/247/brasil/366770/Supremo-voltar%C3%A1-a-discutir-liberdade-de-Lula.htm

    1. “ARREGAÇA, MATUTO VELHO!”

      … Será que os nazigolpistas de togas imundas já estão pulando do barco vagabundíssimo “que nem” o escroto vulgar ‘Jucá(i)’ do mafiosão mimiSHELL?

      Decisão da ONU no CU(nha) putrefato destes(as) golpistas de togas!

      Comissão da Verdade para colocar na cadeia perpétua todos(as) estes(as) infames de togas perpetradoras de crimes hediondos!

  6. Ô loco, a direita corrupta, assassina, volta a ficar travada, será que cai outro avião,…ou outro helicóptero, em São Paulo ?

  7. E deu no que deu né Brito, péssimo prefeito. Mas como vc disse outros tempos, era o auge da campanha difamatória contra o PT em um estado dominado pelo tucanato.

    Uma pena na época, armaram pro Haddad, um sujeito infinitamente mais competente q o prefake, até pecado comparar.

  8. A que ponto chegou a paranóia dos caras kkkk

    Ao vivo na Fel-lha

    18h18 27.ago
    João Amoêdo vira alvo de bolsonaristas nas redes sociais

    Apoiadores do presidenciável Jair Bolsonaro (PSL) têm feito publicações contrárias a João Amoêdo (Novo) na internet.

    Assim como Bolsonaro, Amoêdo se declara um candidato liberal. Para os bolsonaristas, no entanto, ele representa o “Novo velho socialismo” e é “um candidato globalista da agenda 2030 da socialista da ONU”.

    Circula por grupos de WhatsApp pró-Bolsonaro um “dossiê” sobre o candidato do Novo, contando sua trajetória em instituições financeiras. “Novo é o tapa na cara que vocês vão tomar se não pesquisarem a fundo a rede de influências desse cidadão”, diz uma mensagem.

    Outra: “Esse João Amoêdo é uma farsa que somente está sendo plantado na política com o propósito de tirar votos do Bolsonaro. Mais uma armação da esquerda se passando por direita na tentativa de enfraquecer a candidatura de Bolsonaro”.

    1. Bingo, é paranoia, acertou na mosca. Quá, quá, quá, quá, quá,…HIhihihihihi,..KKKKKKKK,. tô rachando o bico.

      1. Bolsonaro disse, diante de um grupo de eufóricos produtores rurais, que “vai tirar o Estado do cangote dos agricultores”. Sendo assim, os ilustres produtores podem dar adeus ao crédito subsidiado do Banco do Brasil, que com certeza também desaparecerá diante da fúria bolsonarista. Fizeram isso no México, e acabaram com o campo mexicano, desocupando mão-de-obra barata para as fábricas americanas que o Trump agora levou de volta para os EUA. O México, terra do milho que é a base da sua alimentação popular, depende hoje da importação do milho americano. Tem gente neste mundo que está prestes a receber uma cacetada no alto da sinagoga e ainda é capaz de tirar o boné para que o cacete bata mais forte, sôr.

    2. é tudo doente da cabeça. qualquer merda que colocarem na frente, comem. basta maquiar falando mal da esquerda e elogiando bolçonazi

    3. Não é doença, é ataque cuidadosamente planejado. O bolsonarismo sabe muito bem quem são seus adversários para chegar ao segundo turno.

    4. Eu só acho que essa semente dos bolsominios falarem mal do Amoedo foi plantada pela equipe do Amoedo. Dá visibilidade para o empresário às custas dos bolsominios, o Bolsonazi só tem a perder com isso. Bolsonazi tem 20% e Amoedo 1%. Foi a propria equipe do Amoedo que plantou o dossiê contra ele mesmo nas mãos dos minions. Trouxas que são, estão dando visibilidade ao Amoedo. Eu teria feito assim, colocar nas mãos dos minions uma “bomba” contra o Amoedo, consistente o bastante para aguçá-los, mas falsa ou de fácil defesa para meu candidato, defesa já preparada de antemão. Contrataria robôs se necessário para aquecer o assunto junto aos minions. Essa seria minha estratégia.

  9. Tem que ver o seguinte, historicamente tempo de TV costuma levar a uma melhora nas pesquisas e nos resultados. Mas tem uma grande exceção, a elição de 89, na qual Eneas com seus parcos segundos teve muitos votos, enquanto Ulisses e Aureliano, ambos de partidos grandes (PMDB e PFL) mantirevam eleitorados nanicos. Mas existe uma nova variável: a internet. Muitos acham que o horário político está ultrapassado. Que a maioria do eleitorado simplesmente não vai assistir. Alias, ninguém nunca divulga audiência do horário político. Pouca gente assiste. Muita gente assiste apenas o candidato que gosta. E mesmo as inserções (que não existiam em 89, e isso pode ter contribuído para a ineficiencia de Aureliano e Ulisses) enfrentam audiências cada vez menores na TV, cada vez mais desatentas a propaganda em seus dispositívos móveis.

  10. Apesar de Alckmin ter tanto tempo de TV, infelizmente não terá nada para apresentar em sua propaganda. Há mais de 20 anos o PSDB está tentando entregar o tal “Rouboanel” e não consegue. E são tantas as notícias de corrupção nessa obra e até hoje só o tal Paulo Preto foi preso. E será um deboche se Alckmin falar alguma coisa da educação pública de SP, pois desde 2012 o gajo é conhecido como o “destruidor da educação”. Os professores estaduais que o digam. Sem falar na falta de água que vive assombrando o estado de SP, pois esse ano de novo estamos com o Cantareira secando e nada de obras para se prevenir do problema. E a desculpa é sempre de São Pedro que não está mandando chuva a contento. E o metrolão? Moro na região do ABC paulista e há mais de 10 anos está sendo prometido o metrô na região. Mas cadê o metrô? Até agora, NADA!!! É um horror esse governo PSDB em SP!

  11. Alguém falou em Amoedo subir nas pesquisas. Isso ai é fake news da Veja. A notícia é que Amoedo subiu na faixa dos ricos apenas, ou seja, continua no mesmo lugar que estava antes. Os caras publicaram que ele tava empatado com a Marina, é fake news pq ele ta empatado só em uma determinada faixa /região. Além disso a pesquisa é telefonica, da BTG. Os caras viram que o xuxu do PSDB não vai emplacar e tão tentando criar um fato que não existe.

  12. A elite paulistana desidratou Haddad e vendeu na periferia o voto nulo dizendo que “político é tudo igual”. Na hora de correr pra urna, emplacou o “gestor”. Um ano depois o povão já queria a cabeça desse beócio. Hoje, duvido que votem em qualquer um que não seja 13.

    1. Essa é a historinha oficial que burocracia do PT jurídico-judicial está construiu e tenta incutir nas militâncias e bases. Mas se Haddad fosse popular e bom de voto, se ele ouvisse e governasse para os trabalhadores e pobres da periferia, nem a mais sórdida atuação do PIG/PPV lhe tiraria os votos necessários para, pelo menos, ir ao 2º turno. Essa narrativa oficial é tão enganosa quanto aquelas pesquisas, tracking, que mostravam o então prefeito de São Paulo empatado ou até mesmo na frente do lobista e marqueteiro João Dória Júnior.

  13. Hoje em dia no Brasil, ser profundo conhecedor de política não quer dizer muita coisa, o difícil é ter equilíbrio. Haja vista os deprimentes artigos que o ex-professor Wanderlei Guilherme deu para produzir. Parece que ele está determinado a destruir todo o prestígio que merecidamente possuía. O ódio que ele está cultivando de Lula e do PT, são dignos de uma Janaína Paschoal.

    1. Desespero. O Ciro prometeu muita coisa para o Wanderlei, o PHA, o Miguel do Rosário e o Luís Nassif. PHA e Nassif, mais espertos e com audiência garantida, já pularam fora da canoa furada do Ciro, diante da realidade dos números. Para Wanderlei, primeiro intelectual brasileiro, na época, a prever o golpe de 64, a coisa é mais difícil. Perece pela obsolescência. Quase ninguém lê os seus artigos. Algo que aflige um pouco, também, o blog o Cafezinho. Relativamente novo enquanto jornalista (mas não tanto enquanto mídia digital), Miguel do Rosário pena um bocado para acompanhar a galera do naipe de um Fernando Brito, um PHA, um Nassif, um Azenha, um Breno Altman. Ou seja, as duas últimas disparadas do Lula fazem o Wanderlei e o Miguel se sentirem ameaçados em sua própria sobrevivência como agentes de mídia alternativa. Se isso é consciente ou não, não saberia dizer.

    2. Recebi ofensas e respostas malcriadas por fazer duras, até mesmo impiedosas, críticas, tanto a esse WGS como a seu correlato na USP, Aldo Fornazieri. WGS é tão vaidoso e venal quanto FHC, embora menos medíocre do que este. WGS surfa na onda de “ter sido o primeiro a prever o golpe de 1964”; ele e os admiradores celebram esse fato como se fruto de uma “genialidade” ou uma sacada improvável. Mas na verdade WGS já atuava no mundo acadêmico da época e tinha acesso a informações privilegiadas, de modo que ele não pode ser considerado “um descobridor da pólvora” por ter colocado em livro o que já era discutido nos meios intelectuais e acadêmicos da época e que já chegara aos veículos do PIG de então.

      Na quadra atual WGS, assim como PHA, mergulharam de corpo e alma no cirismo desbragado e inconseqüente. WGS incorporou o espírito e verborragia de Ciro Gomes; nem mesmo polidez e verniz acadêmico ele tem dado aos últimos textos que tem publicado no blog Conversa Afiada. O último postado lá, com assinatura de WGS, parece ter sido escrito por Ciro Gomes e apenas assinado pelo acadêmico da UFRJ. Outro que adotou o cirismo mais verborrágico foi Gustavo Castañon, assessor do governador Flávio Dino, do Maranhão. Depois do fiasco e desmanche da candidatura de Ciro Gomes, Castañon reduziu o número de textos publicados, mas quando o faz, também parece ser apenas uma pena alugada pelo candidato que decidiu apoiar. WGS e Castañon estão caindo de podres. PHA, experiente e escorregadio, deve pular do barco, quando este estiver afundando definitivamente. Aldo já mudou o tom virulento das críticas que fazia ao PT, à Esquerda e ao Ex-Presidente Lula, presumindo que os oportunistas que tentaram matar e se apropriar do espólio do Ex-Presidente operário podem cair no ostracismo e morrer, intelectual e polìticamente, muito antes de Lula.

    3. Interessante que eu também já observei isto. Eu acho que esqueceram de dar aquele remedinho (Gardenal ) pra ele. Depois de velho (o que é normal) ficou caduco de vez!

      1. Algumas pessoas são como o vinho e melhoram com a idade, outras são como frutas e apodrecem…

  14. Talvez seja mera coincidência, mas comentei recente postagem de Fernando Brito, em que ele considera “decisiva” para as campanhas o horário eleitoral na TV e no rádio. No comentário eu abordo as eleições presidenciais, desde 1989, e mostro que, nas 4 últimas (2002, 2006, 2010 e 2014) a influência da propaganda no rádio e na televisão não foi decisiva para o resultado das eleições; se fosse, Lula e Dilma não teriam vencido nenhuma das disputas, sobretudo porque fora do horário eleitoral oficial, o restante do tempo nos veículos do PIG/PPV é para a direita oligárquica, escravocrata, cleptocrata, privatista e entreguista, representada nessas últimas décadas pelo PSDB e seus agregados.

    Neste post, Fernando Brito sai pela tangente, pegando parte da minha abordagem, mas citando a disputa municipal de São Paulo, em 2016, quando o lobista e marqueteiro João Dória Júnior venceu a disputa em 1º turno, derrotando o “plano B”, Fernando Haddad, de forma humilhante. Brito poderia manter o foco na eleição presidencial, citando os casos de Ulisses Guimarães e Aureliano Chaves. Mas o que importa é que ele reviu seu ponto de vista, que coincide com o de muita gente que hoje passou da 4 década de vida, dando peso excessivo aso veículos da velha mídia. Estas eleições serão aquelas em que a internet terá maior peso que os veículos “tradicionais”; não nos deixemos enganar com falácias como “mais de 60% das pessoas se informam pela televisão e pelo rádio”, pois o fato de assistir programas, noticiários e propaganda eleitoral na televisão e no rádio não significa que esses veículos formem a opinião na hora de votar, pois se assim fosse, Lula e Dilma jamais teriam vencido a disputa presidencial.

  15. Qualquer bom observador poderá antever um Alkimin agarrado ao uns 6% e o Bolsonaro desidratado. Acredito muito mais no Ciro, mas nunca irá ameaçar a.,liderança do Lula ou Hadadd que terá uns 50%. Depois da fake news do Alkimin com a aquele chapéu de vaqueiro de Nordestino sua imagem não irá além de Pindamonhagaba

  16. Se os golpistas do PSDB se assentam mesmo nesta faixa de esperança doriana, então estão ferrados sem remédio. Mas acredito que não seja assim. A propaganda na TV é coisa forte e não vem só. O Ministério Público dos tucanos já começa a bater em Haddad e outros também, de onde possam jorrar votos para o Alckmin, serão açoitados. Os juízes tucanos breve entrarão na batalha, apressando etapas e lançando poderosas convicções. A luta vai ser de cachorro grande, e se o povo tem o maior e mais bem treinado de todos os cachorros, os vira-latas dos tucanos têm como burlar as regras da briga. Tem um cachorrão louco que em certo momento será removido pelo controle sanitário de zoonoses.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.