Problemas de Trump trabalham contra Bolsonaro

As dificuldades de Donald Trump em alcançar a reeleição – registrada nas últimas pesquisas que lhe dão 10 pontos a menos que o insosso democrata Joe Biden – são, sem dúvida, um fator a mais para que muitos, aqui, relutem em embarcar numa aventura golpista de Jair Bolsonaro.

Agora, surge, além dos 120 mil mortos da pandemia, um outro cadáver assombra o presidente norte-americano.

O livro The Room Where It Happened, escrito por John Bolton – aquele que veio ao Brasil comer pão com leite condensado com Jair Bolsonaro – o ex-Conselheiro de Segurança Nacional de Trump está para ser lançado, com uma penca de escândalos contra o ex-chefe.

Entre elas, um insólito pedido ao presidente chinês, Xi JinPing, para aumentar as compras agrícolas dos EUA e melhorar o seu desempenho eleitoral no Meio-Oeste e outras áreas agrícolas norte-americanas, tentativas de interromper investigações criminais no caso da sabotagem a Biden e até um comentário de que seria “legal” anexar a Venezuela aos Estados Unidos.

Trump tem tentado, inutilmente, impedir a publicação do livro, alegando que qualquer conversa com o presidente dos EUA “é classificada”, isto é, é segredo de Estado.

Até agora, foi derrotado, e o livro está pronto para ser lançado na próxima terça-feira.

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on email
Email

10 respostas

  1. Como minha mãe dizia, temos “o roto falando do descosido”. Não nutro um pingo de simpatia por qualquer dos dois. Por isso, fico à vontade para questionar: é possível levarmos realmente a sério o que diz um ser tão diminuto quanto Bolton?

  2. Não tenho a menor ilusão de que Biden venha a ser um presidente melhor para o mundo do que Trump. Afinal de contas Obama foi o “senhor da guerra” e Trump até que esfriou os canhões. Mas não é possível que um troglodita como Trump se reeleja, porque o dano civilizatório é tremendo. Sua parceria Caracu com o Bozo é das coisas mais repugnantes da história.

    1. Isso é verdade, mas nessa quadra de indignação com o racismo e o fascismo, o que menos o Partido Republicano deseja é qualquer referência a alguma ligação do Trump com Bolsonaro, que é tido como uma extensão grotesca e subdesenvolvida do próprio Trump. Quando o New York Times, que é anti-trump, apresenta Bolsonaro como uma caricatura nazista retratada por um chargista genial, é porque ele tem um objetivo político claro, que é atingir o próprio Trump na guerra eleitoral ora em curso. Ataca o pupilo para atingir o mestre..

  3. Resumo da opereta; a rainha louca deve ser internada até o Natal. Trump não se reelegerá e a festa acaba.

  4. Lá o cara vai lançar um livro entregando os podres do Trump, aqui o Queiroz não presta nem depoimento.

  5. As vezes eu acho que o Trump pensa que está no Brasil. Primeiro, querendo mandar o Exército contra manifestantes e agora querendo censura prévia de uma obra. Esse tá viajando mais que o Bozo! kkkkkk

  6. Bozo está atravessando um corredor polonês, reminiscências de suas diversões no banheiro do quartel feito com toalha molhada (é uma brincadeirinha, claro). A coisa vai apertar de verdade quando começarem as prisões de seus próximos. Creio que ele só tem uma saída que “agrada” ao mercado (nunca subestimar esta força): suicídio ou renúncia, porque aí fica o Mourão que com o Guedes garante a realização das reformas e pronto, é o melhor dos mundos. Suicídio é possível porque morreria como mártir e não teria que enfrentar a cadeia depois de estar solto nas ruas. Renúncia terá que ser negociada com a justiça, o que não será uma novidade.

  7. Ano eleitoral é o famoso ano da lavação de roupa suja. E o ex-aliado Bolton já trouxe as roupas encardidas do Trump à público.Acrescentando-se a isso a pandemia em alta e a economia em baixa, e Trump não terá tempo nem condição de dar atenção ao seu subalterno brasileiro. Bolsonaro está no mato sem cachorro.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.