Projetos do governo, agora, perderam a pressa no Congresso

Os avisos de Davi Alcolumbre e de Rodrigo Maia, ao ser entregue hoje o “pacote” de Paulo Guedes e Jair Bolsonaro, não poderia ser mais claro: esqueçam a aprovação a toque de caixa.

Nada mais vai andar depressa no Congresso e o ano eleitoral de 2020 vai pesar muito contra a aprovação de cortes e restrições de direitos de servidores que constam das propostas.

Até mesmo a Reforma da Previdência, empurrada na base do “aprovem hoje, senão vamos falir amanhã” vai a passos de cágado.

Para evitar perder com a restauração das aposentadorias mais curtas para os brasileiros que têm ocupações com alto grau de periculosidade, o Governo costurou um acordo para a aprovação “expressa” de um projeto de lei complementar sobre o tema, só depois da qual se faria aa promulgação da PEC previdenciária.

Só que a PEC foi aprovada dia 22 de outubro e até agora nada do projeto, que ficou a cargo do senador Eduardo Braga (MDB-AM). Só que nada de apresentar-se o projeto até agora e, com a ofensiva da Polícia Federal hoje sobre Braga, é provável que demore ainda mais e talvez nem mesmo na semana que vem seja entregue para que Esperidião Amin (PP-SC) o relate.

Vai portanto, para o final de novembro ou início de dezembro o prazo para que as mudanças na aposentadoria passem a valer, para alegria (e justiça) de quem estava “na bica” para completar o tempo de serviço.

Igual será difícil que a “malandragem” de cortar verbas da Educação e da Saúde, camuflada na permissão de “desconto” dos gastos com aposentados destes setores no cálculo dos mínimos constitucionais – que representaria um confisco de perto de 10% das verbas “carimbadas” possa passar.

O artigo “coletivo” de Rodrigo Maia e de quase todos os líderes partidários – exceto, claro, Eduardo Bolsonaro e Marcel Van Hatten, do Novo, os incondicionais do ex-capitão – é sinal de que qualquer redução de verbas para a Educação tem poucas chances de passar.

 

 

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on email
Email

8 respostas

  1. Foi o inteligentíssimo povo brazileiro que elegeu estes deputados e senadores. O inteligentíssimo povo brazileiro foi bem amestrado pela mídia burguesa: aprendeu a amar uma bosta feito a “seleção canarinho” e a odiar a Petrobrás; aprendeu a idolotrar mercenários neymares & demais e a desprezar professores. O brazil é um lugar maravilhoso. O que o estraga, é o povo.

    1. O povo brasileiro é vítima de imbecilização por parte da mídia corporativa do país, a pior do mundo. Não merece ironia equivocada, merece grandes esforços de esclarecimento e politização. A liberdade é a consciência da necessidade, e nosso povo não é livre.

    2. O povo brasileiro é vítima de imbecilização por parte da mídia corporativa do país, a pior do mundo. Não merece ironia equivocada, merece grandes esforços de esclarecimento e politização. A liberdade é a consciência da necessidade, e nosso povo não é livre.

    3. O povo brasileiro é vítima de imbecilização por parte da mídia corporativa do país, a pior do mundo. Não merece ironia equivocada, merece grandes esforços de esclarecimento e politização. A liberdade é a consciência da necessidade, e nosso povo não é livre.

    4. O povo brasileiro é vítima de imbecilização por parte da mídia corporativa do país, a pior do mundo. Não merece ironia equivocada, merece grandes esforços de esclarecimento e politização. A liberdade é a consciência da necessidade, e nosso povo não é livre.

  2. Pode demorar, mas eles vão aprovar tudo, como aconteceu com a previdência. Os quatro poderes estão contra o trabalhador e o povo. Ninguém conseguiu vislumbrar a magnitude do golpe e, mesmo hoje, ainda há gente que não percebeu. Estou começando a achar que Lula deve sair de qualquer jeito da cadeia, porque se houver o fechamento do regime, sua vida não valerá muito no cárcere.

  3. O que estamos vendo no nosso país é que as mascaras dos fascista caíram. Os indivíduos que compactuam com o presidente miliciano, o seu íntimo é de uma pessoa egoísta e maldosa. Eles não se comovem com o sofrimento do pobre e as injustiças cometidas contra a classe trabalhadora. Desse inferno todo que está ocorrendo, o que vejo de positivo é que agora pude ver o íntimo de muitas pessoas em função de terem votado nesse monstro miliciano para a presidência do Brasil que está sendo destruído.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.