Que tal um “Criança sem Partido”?

Pela primeira vez, daqui a pouco, votarei numa eleição de Conselho Tutelar.

Sinceramente, lamento estar fazendo isso e, de alguma forma, aceitando que a proteção às crianças seja “ideologizada”.

Afinal, é um direito de todas elas e igualmente um dever de cada cidadão defendê-las.

Por meus conceitos, esta tutela deveria ser desempenhada pelo estado, mas procuraram-se as eleições como forma de agregar pessoas com militância efetiva nesta causa.

De boas intenções, dizia minha avó, o inferno está cheio e isso gerou, para as eleições de hoje, uma intensa mobilização de algumas confissões evangélicas e, em contraponto, a mobilização de quem não quer permitir que as crianças sejam trampolins para a eleição de vereadores “da fé” no ano que vem.

Nada, é claro, contra a fé. Aliás, o candidato em que votarei é pessoa religiosa e não é por isso que dou ou deixaria de dar meu voto, mas porque sei de seu compromisso com a educação, do preparo jurídico, da retidão de caráter e da capacidade de diálogo e articulação.

Mas tudo contra a mistura entre fé e políticas públicas para a infância e juventude.

Infelizmente, o fundamentalismo religioso está ameaçando a convivência social.

Em especial a das crianças, às quais querem amarrar a uma educação silenciada, castrada por a não aceitação de diferenças.

Pois o que deveria haver, mesmo, nas escolas e nos órgãos de proteção à infância era a não aceitação da fome, do abandono, do ódio.

PS. Por uma feliz circunstância, conheço o candidato em que votarei. Se você não sabe entre quem escolher, aqui no Rio, sugiro que escolha nas listas de pessoas que se mobilizaram por isso ou entre os signatários da carta-compromisso publicada pelo Sindicato dos Profissionais da Educação (Sepe), com a plataforma (que deveria ser única) dos que recusam o aparelhamento dos conselhos). Há, também, nas redes sociais, informações sobre os candidatos de sua cidade ou bairro.

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on email
Email

20 respostas

  1. Nada contra a Fé. Tenho o maior respeito pelos Evangélicos que respeitam a Bíblia e têm Jesus no coração.
    Tudo contra os evangélicos que dizem que dedicam suas vidas a Jesus, mas dedicam suas vidas às suas igrejas, veneram pastores como se fossem pessoas superiores e obedecem cegamente as ordens de certos bispos, como se fossem representantes de Jesus e não do próprio anticristo.

    1. O problema não é a fé, mas quando a fé se torna moral absoluta e medida de cobrança universal (trocadilho acidental mas signficativo). Algumas “fés” parecem mais relacionamentos abusivos coletivos do que só códigos de conduta.

      1. Muitas pessoas são dependentes da sua fé, a religião para elas é uma espécie de muleta. Por isso, os relacionamentos se tornam abusivos.
        No caso específico das religiões evangélicas, acho que muitas pessoas hoje em dia acabam se tornando evangélicas mais para terem uma vida social ativa do que pela fé em si. As pessoas muitas vezes não tem condições financeiras sequer para pagar condução para fazer um passeio. Aonde elas iriam para conhecer pessoas, conversar, fazer amigos, arrumar parceiros? Igreja evangélica tem em qualquer esquina. E estão quase sempre abertas. Dez por cento dos seus rendimentos acaba saindo barato para as pessoas poderem sair e ir para algum lugar a qualquer hora que quiserem.

        1. Sim, faz bastante sentido, parece mais uma questão social! Acho que me atrevo a arriscar, pensando sobre o que você fala, que as restrições em parte considerável nem mesmo sejam financeiras e sim culturais. A parte bizarra é um homem que cultua um torturador virar um favorito de deus na luta contra os demoníacos comunistas. Entorta demais o cristianismo como concebo. *facepalm*

          1. Essa parte bizarra deve ser consequência da lavagem cerebral que os pastores fazem na cabeça dos fiéis.

          2. E eles têm que demonizar a esquerda, porque a esquerda abre a cabeça das pessoas, estimula a inteligência e o senso crítico. E isso é péssimo para religiões fundamentadas em dogmas ilógicos.

  2. Votei aqui em São Paulo, região de Santo Amaro.
    Eu nunca tinha votado em conselheiro tutelar.
    Votei em pessoas indicadas, mas que não conheço.

  3. Nunca havia votado para conselheiro tutelar tampouco, mas hoje me vi obrigado a comparecer também. Aqui em Joinville havia muito movimento para uma eleição desse tipo não obrigatória.

  4. Porra de fé. Estamos evoluindo rapidamente e temos q pensar no mal q esses cristaos evangelicos imundos fazem a humanidade. Bando de sebosos q querem impor um bando de superiçoes ao mundo baseados no velho testamento. Rumo ao transhumanismo cibernetica homem bicentenario. Nao brincamos de deus. Nos somos deuses

    1. Visto pelo lado evangélico, você será taxado de herege. Kkkkkkk
      Mas o pior desse cristianismo fundamentalista é que os pastores usam o Velho Testamento para fazerem a lavagem cerebral em suas ovelhas (sic). E o fazem porque, se usassem o Novo Testamento – esse sim, cristão – não poderiam meter medo nesses “ovinos”, ameaçando-os com o inferno e o demônio. Demônio que, aliás, foi introduzido no Cristianismo durante a Idade das Trevas. E isso esses pastores picaretas da fé alheia jamais lhes dirão.

  5. Sinceramente parece um pesadelo. Lembro com pesar agora quando nós de esquerda em meados dos anos 80 lamentávamos a apatia e a falta de participação política. Ninguém podia imaginar nem no pior pesadelo essa realidade distópica. Saímos da apatia para o fanatismo ideológico irracional. Não estamos deixando mas nenhum espaço livre dessa insanidade. Se isso não é totalitarismo só pode ser demência coletiva.

    1. É muito difícil mesmo encarar essa realidade. Entretanto, basta reparar bem para constar que a religião sempre deu o tom da história. A luta de classes nunca foi uma luta apenas política

  6. Acabei de assistir a entrevista da Andreia sadi com o professor Catedrático Haddad , homem civilizado , democrático e sabedor dessa situação brasileira que passa no momento ! As perguntas capiciosa e sempre com um tom para desmoralizar o PT e a presidente do PT , mistura a situação da Venezuela com a nossa ! Essa sadi sabe que a presidente do PT foi a Venezuela contra uma invasão militar como a empresa dela apoia junto com o governo Trump ! Ela é pau mandado dos marinhos , o Aécio padrinho dela conhece muito bem essa pseuda jornalista ! Lamentável! Mais o Haddad homem educado e educador soube muito bem contornar essa idiota da globosta news

  7. Eu queria muito receber da equipe do tijolaco como fazer para os meus comentários ser validado meu e-mail [email protected] não entendo porque vocês falam de censura é contra no entanto praticam essa censura ou vocês estão nas mãos deles Globosta !

  8. Eu tb votei ontem pela primeira vez para o Conselho Tutelar em uma das regionais de Curitiba. Na minha regional, dos 5 eleitos, 4 foram de esquerda. No entanto…. a eleição foi anulada.

  9. A pastorzada fanática veio para ficar e para interferir em todos os assuntos e não há alternativa a não ser aprender a conviver com isso. Claro q tb existem alguns pastores q parecem autênticos seres bem intencionados e q vieram para o bem, como aquele q é entrevistado pelo Caetano Veloso. Mas estão em óbvia minoria

  10. Escola sem partido é querer controlar a mente da criança, e mantê-la ignorante e sem senso crítico, para que venha a ser um mero trabalhador boçal. Mantê-la fora do ensino universal que tem sido desenvolvido cientificamente por grandes mestres como Paulo Freire. É uma tara. Umas das maiores taras que costumam surgir com o triunfo do autoritarismo, que ontem e hoje se alimenta da ignorância do povo.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.