Segunda onda: vamos repetir o erro?

O continente europeu vai fechar o dia com quase 230 mil novos casos de infecção pelo novo coronavírus.

É um número seis vezes maior do que o registrado no ápice da “primeira onda da pandemia”.

Ainda que o número de morte ainda não tenha subido tanto – é a metade do que se registrava naqueles dias -, já atinge a marca de 2 mil por dia.

(Não se precipite em achar que a doença atenuou sua agressividade, há muitas razões para isso, como a disponibilidade de leitos, o aprendizado das equipes médicas e até a abundância, que não havia antes, para medir com mais precisão os contágios).

Explosão parecida acontece nos Estados Unidos e pode ser vista no gráfico aí de cima, do jornal inglês Financial Times, onde as linhas seguem a média móvel semanal de casos e as datas de registro dos primeiros casos.

Nele, é fácil observar que quando a “primeira onda” subia na União Europeia e nos EUA, ainda era uma marolinha por aqui.

Muita gente – inclusive pessoas de boa-fé, minimizavam o problema e a frase típica deste comportamento era “mas a dengue mata mais”.

Matava, não é?

Um mês e meio depois, eles começavam a decair e o Brasil os ultrapassou, chegando perto de 1.500 mortes por dia e somando a antes inacreditável e agora desprezada marca de 156 mil mortos.

Agora, Europa e também os EUA – onde as internações hospitalares por coronavírus cresceram 40% no último mês – retomam o crescimento do número de casos e é absolutamente provável que, dentro de algumas semanas, repita-se aqui o mesmo movimento.

Afinal, o vírus é o mesmo e o brasileiro é um ser humano como todos os demais, e não, como disse Bolsonaro, “um caso a ser estudado, que mergulha no esgoto e não fica doente”.

Mas, na iminência de um precipício, o Brasil se porta como se fossemos uma turma de adolescentes imprudentes, para a qual a economia é como se fosse uma “balada” à qual se deve dar prioridade acima de qualquer coisa. E, neste caso, superior ao próprio valor da vida.

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on email
Email

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *