Senado derrota parte de armas

Jair Bolsonaro colheu outra derrota no Congresso.

O Senado votou um decreto legislativo que revoga os decretos armamentistas com que o presidente pretendia formar suas milícias armadas.

Apesar da campanha da matilha bolonarista nas redes sociais e da natureza para lá de conseradora dos senadores, a derrota foi expressiva:  47 votos a 28.

Perece muito, mas não é, tamanho o absurdo. A matéria vai á Câmara.

Bolsonaro não está nem aí.

Vai ser lenha para jogar na fogueira de seus acampamentos nazifascistas.

E justificativas para o “não faço porque não me deixam fazer”.

Como se sabe, pedra para pavimentar a estrada do golpismo.

Este é um governo para fazer o que é possível politicamente, mas um governo dedicado em fazer de sua vontade (ainda que frustrada) o argumento da política e da imposição.

As ditaduras, lembre-se, se fazem com o argumento da baderna e do medo.

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on email
Email

5 respostas

  1. Bolsonaro vai jogando com suas propostas lunáticas. A forma como seus projetos são rejeitados no Congresso também lhe serve. As derrotas são pretexto para atiçar a matilha contra os outros poderes independentes e harmônicos (!) . E Bolsonaro vai colhendo frutos destas batalhas perdidas. Os seus frutos são a ira do povo contra o legislativo. Isso lhe serve. Não é desconhecida a sua vontade de fechar o congresso e o Judiciário para governar “apenas com o povo”…

    Essa maneira de arregimentar simpatias à sua causa é bastante semelhante à atuação das milícias, em que a massa vê-se aderindo à milícia pelo ódio que sente à polícia, aos traficantes, ao Estado e a seus representantes. Para arregimentar mais gente a milícia age buscando aumentar o coeficiente de ódio.

    Pobre Brasil! Como se livrar desse Estado Miliciano?

  2. A declaração de Bolsonaro, no último sábado em Caxias do Sul, torna ele passível de Impeachment. Defendeu abertamente a luta armada dentro do país, sugerindo que, as armas nas mãos do povo serviriam para se derrubar um governo impopular.

  3. O volume de importações de armas e munições deve ter crescido exponencialmente na vigência do famigerado decreto. Até ele perder a validade, as milícias estarão bem abastecidas.

  4. Os golpistas fardados, entreguistas,genocidas ficaram aliviados.
    Independente que por estratégia dos donos do GOLPE ( eeuu) eles devam suportar o miliciasno e sua troupe de dementes, incluído até um gurú sexopata irrespeituoso com as senhorías fardadas, sabem que ELES SÃO OS DONOS DO PODER DAS ARMAS.
    Assim qualquer iniciativa no sentido de colocar isso em perigo,não é bem-vinda, porque desnudaría a carência de qualidades para terem essa importância que lhes é dada no Brasil.
    Felizmente ao menos alguns ficaram livres dessa praga ,os argentinos por exemplo.

  5. Ou se permite armas para todos, ou para ninguém.

    O decreto bozo não passava de uma fraude para armar milicianos.

    Quem precisa de armas para derrubar governos golpistas é o povo.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.