STF anula manobra bolsonarista para eleição no Senado

O presidente do Supremo Tribunal Federal anulou, esta madrugada, o encaminhamento dado pelo candidato de Ônyx Lorenzoni para a eleição do Senado, que iria permitir a eleição “tranquila” de Davi Acolumbre, o brucutu que presidiu a deprimente sessão de ontem da Casa.

Não podia haver outro resultado, porque foi um escândalo o que se passou: um candidato definindo as regras de uma eleição que ele iria “disputar”.

Tão arbitrário que mandou trancar o plenário do Senado para evitar que aquele que deveria presidir a sessão – o senador mais idoso, José Maranhão, como determinou o STF – se sentasse na cadeira de presidente, como registra a Folha.

Em nome de uma suposta “transparência” empurrava-se os senadores – a maioria de estreantes na casa – a escolher um atrabiliário para presidir o Senado e garantir o controle absoluto da casa pelo governismo.

O que não está descartado, porque a leva de senadores que se elegeu em outubro é, em grande parte, afinada com a onda reacionária que se abateu sobre o Brasil.

Mesmo que sejam maioria – ou quase – o que se pretendia era outra coisa: a aniquilação de todas as forças que se opunham ao atual governo, pela abolição do curso normal das escolhas políticas daquela Casa, estabelecendo uma ditadura legislativa.

Recomenda-se aos “moralistas” que se dizem de esquerda que reflitam sobre o que é entregar o controle absoluto do Senado a um candidato que, por inexpressivo, tudo deve ao apoio do governo Bolsonaro.

 

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on email
Email

15 respostas

  1. Naqueles bons tempos em que se amarrava cachorro com linguiça, candidato a cargo num colegiado só pode discursar mostrando a sua plataforma política e votar. Nunca sequer sentar na mesa de trabalho ou participar de alguma forma nos trabalhos de votação.

  2. A QUE PONTO CHEGAMOS
    FIQUEI FELIZ DE VER O MAIA ELEITO – podia ter sido o Kin catacoquinho, já pensou nisso?

    com Renam – a mesma coisa
    Fevereiro promete, serão fortes emoções

  3. A política de fazer tudo “na marra” esperando que os outros se comportem como o povo brasileiro – caladinho.
    Quando todo dia é dia de indignação vai se consolidando a desesperança de que algo de moral, ou em último caso racional, saia de alguma instituição brasileira.
    O país “do” futuro se transformou no país “sem” futuro. Uma colônia porcamente administrada por milicianos, grileiros e vendedores de sentenças todos abraçados ao grande capital.

  4. Toffoli “anulou, esta madrugada, o encaminhamento dado pelo candidato de Ônyx Lorenzoni para a eleição do Senado”? Quer dizer: quando é para ajudar o seu “amigo” Renan, Toffoli teve tempo “de madrugada” de assinar um documento determinando o cancelamento de uma manobra bolsonarista para eleição no Senado, mas não teve tempo, nem “de madrugada” para assinar um documento que daria direito a Lula de comparecer ao velório de seu irmão. Tudo muito conveniente, dependendo de quem é o favorecido da vez…..

  5. Ontem eu disse que a noite era longa e Renan não podia ser subestimado. O juiz com nome de bombom não me engana: não foi por respeito à democracia que tomou essa decisão. Pra mim o Golpe já está demolindo Bolsonaro, para que o general da vez, herdeiro de 64, venha “moralizar” o país. É provável que tenhamos até uma outra Marcha da Família, como em 64.

  6. Isso mesmo, Brito. Randolfe foi o que mais contribuiu pra isso. Mas cada um faça o seu papel. Porém, isso é pra mostrar o quanto Bolsonaro quer poder ter influência e mandar no Senado e Congresso, e que os senadores depois de assistir esse golpismo ontem, vejam o tratamento que o governo Bolsonaro pretende dar a eles. Fora o poder que o DEM manteria. Renan sempre foi governo, mesmo apoiando o Golpe do impeachment, mas pra não ter um Senado subserviente a Bolsonaro, a única opção é Renan.

  7. Dias Toffoli é um grande safado, ele sabe que amanhã ou depois ele pode ser a bola da vez e com certeza o Renan vai engavetar…podem ter certeza. Fora Toffoli

  8. Fernando, o que está em jogo realmente neste exato momento de escolha do comando do Senado é a salvação do garoto. Né não?

  9. Então, depois dessa armação a situação fica assim capitão: se o senhor correr o bicho pega se o senhor ficar o bicho come. Se Renan perder – com voto fechado ou nao – o senhor vai ter uma oposição monstruosa comandada pelo MDB no senado. Se ganhar idem. Bem feito.

  10. Finalmente, temos como Presidente do Senado, um judeu, “muito representativo”,”refinadíssimo”, eleito Senador, com 130 mil votos, no menor Estado do Brasil, pois o seu Estado do Amapá, tem um eleitorado monstruoso: 500 mil ! Amém Senhor ?

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.