Temer, afinal, conquista seu lugar na História

Quando o beneficiário de um golpe político-institucional confessa que aquilo foi um golpe saímos, afinal, do campo das versões para o dos fatos indiscutíveis: houve um golpe de Estado na deposição de Dilma Rousseff da Presidência da República.

Foi isso que ocorreu com a admissão feita por Michel Temer, ontem, no Roda Viva, de que ‘não fez empenho” e não “era adepto” do golpe que o levou à cadeira presidencial.

Como golpe não se dá por geração espontânea nem cai do céu como chuva, impõem-se duas outras questões que precisam acompanhar o nome que teve aquilo: o parlamento, seu executor, e aquilo que criou as condições para esta execução: o lavajatismo judiciário e a sua legitimação por uma mídia cúmplice deste processo de demolição do poder eleito.

Em seu blog, o jornalista Kennedy Alencar resume bem as conclusões inevitáveis do surto de sinceridade de Temer:

Tornou-se evidente o papel de Moro e da Lava Jato na derrubada de Dilma, o que foi uma interferência política ilegal do Judiciário no Executivo. Numa democracia plena, isso não poderia ter ocorrido.
O relato de Temer ao programa apresentado pela jornalista Daniela Lima tem forte peso histórico. Ele deixa claro que o motivo para Lula ser indicado para a Casa Civil destrói o argumento da Lava Jato, de Moro e também do STF (Supremo Tribunal Federal) para impedir que o petista assumisse o posto.

Embora ainda se careça do reconhecimento destas duas outras verdades, a confissão de Temer, ao menos, tem uma serventia: a de acabar com o “lero-lero” de que “as instituições democráticas funcionaram”.

Não, não funcionaram: cevaram, produziram e se vergaram a um golpe.

Golpe, como reconhece seu beneficiário que passa para a história, portanto, como golpista confesso.

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on email
Email

27 respostas

    1. Endossados pelos pobres imbecis de direita, nesse momento também chamados de bolsominions!

  1. A melhor notícia da semana, por enquanto, ao lado da decisão do juiz que jogou no lixo a nova acusação contra Lula e sua família. Mas o sincericídio de Temer é ainda mais relevante do ponto de vista político. Escancara de vez o fato de que HOUVE UM GOLPE e demole a retórica safada da mídia vendida à casa grande. Imagino que uma grande crise de azia deve estar atacando desde ontem boa parte dos analistas da grande mídia, todos adeptos da tese “as instituições funcionaram bem, a democracia não está ameaçada, não foi golpe”, etc. Azia sim, porque crise de consciência é impossível. Essa turma não tem consciência ou ética jornalística básica.

    1. “””Essa turma não tem consciência ou ética jornalística básica”””…Nunca tiveram e sempre foi de FERRAR os Brasileiros…

  2. Como foi um dos primeiros a admitir ser golpista, poderá escolher se seu lugar no trajeto para a lata de lixo da História será na janelinha ou no corredor.

  3. TEMER DISSE E ADMITIU QUE FOI GOLPE EU TENHO ALGUNS SINÔNIMOS; TRAIÇÃO, ASSALTO AO PAIS, SUBVERSÃO À ÓRDEM CONSTITUCIONAL, VERGONHA DA JUSTIÇA BRASILEIROA, VERGONHA DA OAB, VERGONHA DA POLITICA, SEM VERGONHICE GERAL DA IMPRENSA, TRAIÇÃO AO POVO BRASILEIRO. CANALHAS, CANALHAS , CANALHAS.

  4. E o Temer se vinga da sua prisão pela lava jato/RJ, já que é notório que o golpe se deu movido a vazamentos da lava jato.

    1. Não uma vingança, mas pode ser algum tipo de vacina para as ações contra ele no judiciário, cujo intento se desvendará no futuro. Este velhaco de bobo não tem nada.

  5. Pelo menos assume que foi golpe. Que coisa: hipócritas dissimulados como o efeagá se apequenam até mesmo diante figuras desprezíveis como o Vampirão.

  6. Por qué ainda insistimos na tese de isentar a participação dos ENTREGUISTAS FARDADOS na execução do GOLPE????????
    Alguém históricamente informado pode imaginar que isso tenha acontecido sem a aprovação,condução e o apoio logístico (conexões com os “falcões”yanquees,espionagem a eventuais dissidentes,pressão,informação,espionagem -capitão Balta- dos movimentos anti-golpe,tuits, assessores no stf,,etc,etc) do EXÉRCITO DE OCUPAÇÃO DO TIO SAM????????????
    O parlamento ,a farsa jato ,o STF, a mídia foram ACESSÓRIOS NECESSÁRIOS para realizar a mando de USA o GOLPE branco (guerra de 4° geração).
    Continuamos focando errado .Continuaremos a sofrer dos mesmos males enquanto não tivermos ciência do papel histórico das FFAA brasileiras (brasileiras???).

    Um post esclarecedor :
    https://www.viomundo.com.br/voce-escreve/aniquilar-controlar-ou-assimilar-o-inimigo.html

    1. As FFAA nunca se interessaram na modernização de seus armamentos com tecnologia de ponta por medo de ter que defender nossa Soberania diante de uma ameaça americana. Vemos aí o Pre Sal a Petrobras sendo entregues e eles batem palmas. Generais são tão bundoes que um capitão chamado no quartel de “Bunda Suja” deixa o astrólogo Olavo de Carvalho e seus 3 rebentos humilharem com comentários jocosos toda a cúpula do exército. Eles merecem pois estão mais preocupados com seus Soldos que com a nação que eles Juraram defender!!!

    2. Continuaremos a sofrer dos mesmos males se não mandarmos todos os golpistas para o PAREDÃO ao invés de anistiá-los.

  7. Espero que a história não se esqueça de destacar o papel FUNDAMENTAL da Rede Esgoto de Televisão na concretização do golpe.

  8. Inacreditável que o “MT”, o presidente-em-chefe do Cartel do PMDB, agora apareça, para surfar os novos ares que juntaram todos os picaretas e a turma da bufunfa, como se fosse o Cândido de Voltaire.
    Até Gilmar Mendes, o responsável pela tese afirmativa da validade da prova ilícita, também agora venha sendo elevado ao panteão dos paladinos do Estado de Direito.
    À direita e à esquerda, o que se vê, é que na hora da onça beber água – e como a onça é sedenta quando se trata de água liquefeita de dinheiro público mal lavado e mal havido -, todos as onças são pardas.
    Essa regra não tem exceção.
    Relativamente ao fundamento do impeachment, a verdade factual impõe revisitar o impeachment de Collor.
    Voltemos no tempo ao 31 de agosto de 1992, quando Lula e o PT estavam do outro lado da arquibancada e dinamitavam diuturnamente o combalido e anêmico Collor de Mello enredado com as despesas da Casa da Dinda, o Fiat Elba e o Morcego Negro de PC Farias.
    Vejamos o que disse o insuspeito, já falecido, jurista dos juristas, Geraldo Ataliba, a respeito do impeachment, em seu depoimento no Roda Viva.
    O mesmo programa onde o Chefe do Cartel do PMDB enuncia platitudes com visual de paisagem em dia de Monalisa.
    Com a palavra o jurista Geraldo Ataliba:
    “O senhor quer ver o que eu há poucos dias disse num programa de televisão?
    O impeachment tem por finalidade afastar uma pessoa que se tornou incompatível com o cargo, pelo seu comportamento, pela sua subjetividade, pelas decisões que adotou, ou pela forma pela qual vem exercendo aquele cargo.
    Então, a sociedade, pela sua maioria, diz: não queremos mais saber desse sujeito. É o ostracismo. Então, tiramos esse sujeito do cargo, isso é que quer dizer impeachment. Quais são as razões pelas quais se pode decidir isso? E essa decisão é política.
    Veja bem, a Presidência da República, como uma instituição, é tão importante no jogo das nossas instituições que se deu ao presidente da República uma série de prerrogativas e poderes para quê? Para armá-lo numa luta internacional contra o capitalismo internacional, contra os poderes internacionais, militares e econômicos e de outra natureza que há pelo mundo afora, querendo prejudicar o Brasil, como a história da humanidade ensina que todos os países querem prejudicar todos os países, tirar proveito.
    Esse sujeito, o presidente da República, tem que ser armado também internamente para se defender das pressões e das forças que existem dentro do país, as forças econômicas, as forças de imprensa, de opinião pública, exageradas, as forças militares, as forças sindicais, as forças dos banqueiros, dos empresários etc. Ele tem que defender o país contra isso tudo, ele tem que ter uma linha e dizer: eu sigo essa linha, a despeito de todas essas pressões. Então, ele tem que ser armado para vencer essas pressões e fazer com que o interesse da coletividade predomine, prevaleça sobre todas essas forças.
    No instante em que nós temos um presidente que tem que ceder ao pedido dos militares porque tem que agradar, tem que ceder a certos partidos políticos, tem que ceder a certos governadores, tem que ceder a certos sindicatos, tem que ceder a certas forças que existem na mídia, tem que ceder aos banqueiros internacionais, tem que ceder ao interesse de empresas internacionais que querem patentes etc, tem que ceder de todo lado para todo mundo, esse homem não tem mais condições de exercer aquela magistratura, não tem mais. Então nem precisa, a meu ver, grandes provas ou relação de causa e efeito entre isso e aquele fato, entre CPI ou qualquer outra coisa para tirar esse homem.
    Já é caso de impeachment no instante em que a sociedade chega à conclusão, como chegou a nossa, e o Congresso tem que refletir isso, de que essa pessoa não tem mais condições de exercer essa função. E por que não tem? Porque mesmo dotado de todas essas condições objetivas para enfrentar desassombradamente todas essas forças, e desassombradamente tomar as atitudes que defendem o país e promovem o interesse nacional, esse sujeito perdeu essas condições. Então, essa dotação toda é inútil por causa da subjetividade dele. Para mim, basta isso para justificar o impeachment.”.
    Dilma Roussef já havia perdido completamente as condições de chefiar o governo após a tempestade de Junho de 2013.
    A insistência na reeleição foi o maior erro crasso do PT e de Lula. O erro grave havia sido a escolha da própria Dilma, quando não faltavam quadros partidários infinitamente mais aptos e capazes para dar continuidade ao legado lulo-petista.

  9. Quem poderia colocar tudo nos trilhos novamente é o STF. Mas, tudo isso depende da autorização da Globo e do Moro. Acredito que vai continuar tudo do jeito que tá.

  10. Estranho, veio tudo tão rápido, esperava um longo prazo para tudo se desvendar. O jornalista Green caiu do céu, a democracia lhe deve não um busto mas uma estátua gigante em frente ao congresso representando a democracia, no mínimo!

  11. Temer foi subestimado por muitos. Não se pode negar que é a maior raposa política que o Brasil já produziu. Perto de Temer, o Maluf é um aprendiz desastrado.

  12. Temer pode ser tudo, mas burro com certeza nunca foi! Essa sua postura sinaliza claramente uma mudança dos ventos. Vamos esperar pra ver o que virá. Esse fim de ano promete!

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.