The Guardian: o nazismo volta vestido de ‘é só uma gripezinha’

No jornal inglês The Guardian traz um assustador relato sobre algo que, muito provavelmente, veremos aqui: o comando da extrema-direita sobre a insatisfação popular com a adoção de novas medidas restritivas diante do crescimento da pandemia provocada pelo novo coronavírus. Na Alemanha, anteontem, milhares marcharam carregando cartazes com slogans como “Pare a mentira da pandemia do corona” e “Não às vacinações forçadas”.

Grupos neonazistas se aproveitam do medo, da crise e da depressão das pessoas com o isolamento e empurram suas ideias alucinadas de supremacia branca e ódio aos imigrantes.

Leia:

“Militantes de extrema direita na Europa e nos Estados Unidos estão cada vez mais formando ligações globais e usando a pandemia do coronavírus para atrair ativistas antivacinas e teóricos da conspiração para sua causa, concluiu um estudo encomendado pelo Ministério das Relações Exteriores alemão.

O estudo realizado na Alemanha, França, Grã-Bretanha, Estados Unidos, Suécia e Finlândia pelo Counter Extremism Project documenta o surgimento de um novo movimento de extrema direita desde 2014 que é “sem liderança, transnacional, apocalíptico e orientado para a violência”.

Os extremistas acreditam na teoria nacionalista da “grande substituição” orquestrada para suplantar a população branca da Europa com estranhos.

E estão cada vez mais em rede através das fronteiras nacionais com outros militantes que pensam da mesma forma, incluindo extremistas russos e do Leste Europeu.

Festivais de música e lutas de artes marciais mistas (MMA) são pontos de encontro, onde extremistas também buscam atrair novos membros, observou o estudo.

Durante o ano passado, a pandemia também se tornou uma oportunidade aproveitada pelos extremistas para “expandir seus esforços de mobilização em torno de mitos de conspiração antigovernamentais que criticam as restrições atuais”, disse.

“O extremismo de direita é a maior ameaça à nossa segurança – em toda a Europa”, disse o chanceler alemão Heiko Maas no Twitter.

Alarmado que uma seita que está “cada vez mais atuando e se conectando internacionalmente”, Maas acrescentou que a Alemanha está tentando conter a ameaça por meio de ações coordenadas com outros membros da UE.

Uma reunião de quase 10 mil oponentes das restrições sociais impostas pelo governo para conter a disseminação da Covid-19 em Berlim nesta semana viu extremistas se misturando a um heterogêneo grupo de manifestantes.

Cerca de uma dúzia de manifestantes gritavam “Sieg Heil” enquanto realizavam a saudação de Hitler com o braço erguido, na presença da polícia, o que um repórter da AFP viu.

Slogans antissemitas têm sido uma característica de algumas das manifestações contra as políticas do coronavírus na Alemanha este ano.”

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on email
Email

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *