Tudo é falso. Programa de emprego é farsa para arrecadar

Nada no governo Bolsonaro é o que tentam fazer parecer.

A Instituição Fiscal Independente, órgão do Senado, pôs na ponta do lápis o projeto da Carteira Verde Amarela, proposto para, em tese, facilitar o emprego (de segunda classe, sem parte dos direitos trabalhistas) dos jovens e concluiu que ele arrecada mais do que gasta nas desonerações fiscais e previdenciárias que prevê.

Está no Estadão:

Estudo da IFI obtido pelo Estado, que analisa o impacto do programa nas contas do governo, prevê que a taxação do seguro-desemprego, prevista no programa, pode render R$ 12,7 bilhões até 2024, acima do custo potencial de R$ 11,3 bilhões caso 100% da meta de 1,8 milhão de vagas seja atingida, possibilidade considerada de difícil execução pelo órgão. Mesmo assim, o ganho de receita, nestes cinco anos, seria de R$ 1,4 bilhão. Num cenário de cumprimento de metade da meta de empregos (900 mil vagas) anunciada pelo governo, o custo do programa entre 2020- 2024 cairia para R$ 5,7 bilhões. Isso garantiria um ganho extra de R$ 7 bilhões na arrecadação com nova taxação do seguro-desemprego. Já num quadro de cumprimento de um quarto da meta (450 mil vagas), o custo do programa em cinco anos seria de R$ 1,1 bilhão, rendendo um adicional de R$ 11,6 bilhões para o caixa do governo.

Ou seja, a receita obtida pelo governo impondo desconto previdenciário sobre o salário-desemprego vai gerar muito mais receita que as desonerações fiscais dadas a potenciais empregadores de jovens.

Desenhando: o suposto programa de primeiro emprego é, na verdade, um caça-níqueis para a caixa de Paulo Guedes.

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on email
Email

5 respostas

  1. Só sabe tirar dinheiro de pobre. Vai salvar o país explorando os mais pobres. Verdadeiro liberal.
    Roubou dos pobres na previdência quase um trilhão, e agora complementa taxando o seguro desemprego. E quanto mais desemprego mais salva as contas públicas. Gênio este guedes. Pena que ladrão de pobres.
    Ladrão de pobre!

  2. Os estudos da IFI são muito bons e tecnicamente fundamentados. Para recebê-los basta se cadastrar no mailing list.

  3. Que falta fazem os bons humoristas do traço e da palavra hoje em dia. Seria preciso ter novamente um time de peso como o que se atirou contra os milicos nos anos 60 e 70. Time composto por Henfil, Jaguar, Millor, Ziraldo, etc, etc. Essa notícia deveria vir acompanhada por uma daquelas charges esmagadoras sobre um “Robin Hood ao contrário “, que tira dos pobres para dar aos ricos.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.