Um ministro terrivelmente servil, por Cristina Serra

O artigo de Cristina Serra – sempre coerente e competente companheira, desde os tempos do velho JB – na Folha de hoje, onde põe à luz o comportamento do ministro da Justiça, André Mendonça, é um retrato do que a ambição faz às pessoas. Benquisto e sereno quando era apenas um advogado da União, vem se mostrando o falcão do bolsonarismo, desde que começou a receber os afagos presidenciais com a história de indicar ao Supremo um ministro “terrivelmente evangélico”.

Antes de reproduzir o texto, duas informações.

A primeira, que o Ministério Público Federal abriu ontem um procedimento para apurar a conduta da Secretaria de Operações Integradas (Seopi) do Ministério da Justiça ao abrir investigação sobre servidores por terem se declarado “antifascista”, que levantou suaspeitas de que o órgão esteja sendo usado como um Dops de Bolsonaro.

A segunda, que o autor da reportagem que começou a iluminar este desvão sombrio de Mendonça, Rubem Valente, estará hoje numa live com o jornalista Luís Costa Pinto e o editor Luís Fernando Emediato. Valente, no UOL, adianta que o presidente da Comissão Mista de Controle das Atividades de Inteligência no Congresso, o senador Nelsinho Trad (PSD-MS), pretende convocar Mendonça a explicar-se sobre o dossiê, que classificou de “constrangedor, estranho e inútil”.

Arapongas no Ministério da Justiça

Cristina Serra, na Folha

O ministro da Justiça e Segurança Pública, André Mendonça, deve explicações à sociedade sobre a atuação de um órgão a ele subordinado, a Secretaria de Operações Integradas (Seopi). O repórter Rubens Valente revelou no UOL que a Seopi produziu um dossiê com informações sobre 579 pessoas, a maioria servidores de órgãos de segurança pública, que integrariam um certo “movimento antifascismo”.

Tudo indica que estamos diante de uma estrutura de espionagem e intimidação, aos moldes ditatoriais.Também foram alvo da bisbilhotice intelectuais do porte de Paulo Sérgio Pinheiro, integrante da extinta Comissão Nacional da Verdade e da Comissão Arns, de defesa dos direitos humanos, que tem se manifestado de maneira firme contra atos de Jair Bolsonaro, como a incitação ao genocídio de povos indígenas.

O ministro também deveria esclarecer por que revogou normas que facilitariam o rastreamento de armas destinadas aos agentes da Força Nacional de Segurança. A revogação se soma a outras medidas tomadas por Bolsonaro que aumentam o descontrole da circulação de armamento no país. A quem isso interessa ?

André Mendonça é o mesmo que chamou Bolsonaro de “profeta” e que não hesita em intimidar jornalistas críticos ao governo recorrendo à Lei de Segurança Nacional, restolho do regime militar e anomalia jurídica mantida na ordem democrática como tumor não extirpado.

Quando ainda respondia pela Advocacia-Geral da União, criticou governadores e prefeitos por tomarem medidas “autoritárias” no combate à pandemia. Já ministro, quando um grupo de celerados atacou o Supremo Tribunal Federal com fogos de artifício, afirmou que era preciso compreender a “crítica” e a “manifestação” do povo com “humildade”.

Bolsonaro já disse que pretende indicar para o STF um ministro “terrivelmente evangélico” e que Mendonça —pastor presbiteriano— se encaixa nessa definição. Um alinhamento terrivelmente servil também pode garantir pontos extras na disputa.

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on email
Email

6 respostas

  1. “Terrivelmente evangélico”… isso deve incluir ambição desmesurada e alinhamento completo a genocidas, logicamente.

  2. Já disse noutro comentário; Quem olha para ele, já vê a cara indisfarçável de um completo baba ovo. É um tipo abjeto de gente.

  3. Notem que na foto da posse o infeliz já está mirando o saco do Bolsonaro, para começar a puxá-lo.

  4. Ele se disse servo do presidente.Qual a bíblia que este moço segue, pois na Cristã diz que só se serve um senhor!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *