Mino sugere Celso Amorim como “plano B” do PT

amorimlula

Inteligência e trajetória sobram a Mino Carta para que se lhe reconheça lógica em tudo o que diz.

Outra coisa é a viabilidade disso mas, convenhamos, se aos 84 anos um homem desaprendeu de sonhar como os jovens, saído do deserto da era em que, mal ou bem, temos de vestir, alimentar e dar escola aos miúdos, é porque já deixou a vida e trata, burocraticamente, de arrumar os papéis para quando se for.

Numa larga metáfora, lembro-me de Barbosa Lima Sobrinho, o “Doutor Barbosa” que um um dia, aos 80 anos, em plena ditadura, atendeu ao convite de quem escreve esta lembrança e seus agitados colegas de primeiro ano de faculdade para nos falar daquilo que, Congresso fechado pelo “Pacote de Abril” era inviável tanto quando inevitável: a retomada da democracia e as eleições diretas para Presidente.

Por isso, vale muito a sua pensata, hoje, em que aponta o ex-chanceler Celso Amorim como alternativa à impossibilidade de Lula ser o candidato.

Tem dois significados, sim: o primeiro é evidenciar quão desastrosa tem sido a pueril estratégia de Ciro Gomes ao criar obstáculos ao que seria o caminho natural diante de um impedimento de Lula. O segundo, o de que o Brasil não pode ser governado por alguém de mentalidade “acapirada”, que dê valor absoluto aos arranjos da política sem perceber que, inescapavelmente, os nossos problemas locais estão amarrados por um justo nó à inserção do Brasil no mundo.

Vale, portanto, a leitura de Mino.

A escolha certa

Mino Carta, na CartaCapital
Segundo as pesquisas, quem Lula apoiar ganha a eleição. Meus botões e eu sugerimos Celso Amorim
Espera aí, dizem meus botões, e se houver eleições? Ocorre que eu tenho manifestado dúvidas a respeito com alguma frequência, movido pela inescapável conclusão de que os golpistas não têm candidato para a Presidência da República.
Para evitar a debacle que seriam capazes de inventar? A enésima exceção, mandar às favas o calendário eleitoral.
 
Olhai, insistem os meus infatigáveis interlocutores, quantos golpistas já se preparam para o pleito, a começar pelos mais graúdos, por exemplo Henrique Meirelles, graniticamente certo de ganhar a próxima convenção do MDB.
Há golpistas aos magotes entre governadores e parlamentares a mirar na reeleição, e outros tantos empenhados em burilar suas candidaturas.
Sugiro reflexão. E o deus mercado que opina? Pois é, informam os botões, há um pessoal da grana que propõe Geraldo Alckmin como candidato único de tucanos e emedebistas, ou seja, a fina flor do poder econômico acredita em eleições.
O próprio ex-governador de São Paulo admite que sua cotação nas pesquisas é baixa, mas prevê a virada com o começo oficial da campanha eleitoral.
E que esperar das gloriosas Forças Armadas?
Muitos comentaristas europeus aventam a hipótese de uma intervenção militar. Comentam os botões: não faltam decerto fardados, e de pijama, saudosos de 1964, parece, contudo, que no momento a caserna prefere não se haver com pepinos.
Então, observo com aparente resignação, vamos aguardar a chegada de um capitão, o Bolsonaro admirador de Tio Sam e recém-convertido ao deus mercado.
É cedo, é cedo, é muito cedo, cantarolam os provocadores, e me lembram o coelho do País das Maravilhas visitado por Alice, aquela meninota atrevida.
Explicam: à parte o fato de que na próxima semana discute-se em petit comité da casa de diversões chamada STF a prisão de Lula em segunda instância, as pesquisas atribuem ao ex-presidente uma qualidade formidável: quem ele apoiar, mesmo da cadeia, tem imponentes possibilidades de levar o próximo pleito.
Depende de quem ele escolher, atalho. E o diálogo se encerra.
Lula continua bem à frente nas pesquisas, soa impossível, porém, que a casa-grande desista do objetivo determinante do golpe, interditar de vez a candidatura do ex-presidente. Mesmo assim, ele continua a ser decisivo, se souber apoiar o candidato certo. Talvez pudesse ser Ciro Gomes, não tivesse ele tomado posições que magoaram Lula profundamente.
Como sabemos, nem sempre o único líder brasileiro de dimensão nacional na hora das escolhas esteve à altura do seu extraordinário faro político, do seu elevado QI e da força que lhe confere a consistente popularidade.
Quem poderia ser hoje o candidato de Lula?
Meus botões e eu nas fileiras do PT só enxergamos duas figuras relevantes, sem contar o senador Roberto Requião, que, sem ser do PT, por suas ideias e posturas figura à esquerda da larga maioria dos petistas.
Os botões me puxam pelos punhos da camisa.
Está certo, falemos dos tais personagens que se impõem à nossa atenção, dois somente.
Um deles, Jaques Wagner, já está fora do páreo, prefere reeleger-se para o Senado.
O outro chegou a cogitar de sua candidatura à governança do Rio, mas logo desistiu.
Celso Amorim, ex-ministro de Lula e Dilma Rousseff, intelectual de fina estirpe e cavalheiro incorruptível.
Como chanceler foi quem mais claramente contribuiu para projetar internacionalmente o País, a ponto de ser reconhecido como o mais importante ministro do Exterior do mundo no seu tempo.
Diplomata de princípios firmes, ponderado, embora de crenças inabaláveis.
Este seria um grande presidente no momento de reconstruir o Brasil.

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on email
Email

25 respostas

  1. Já começo a entender a desistência de Celso Amorim à disputa do governo do Rio, cedendo esse espaço à Marcia Tiburi.

    Amorim é de longe o aspirante a substituto de um possível impedimento de Lula com mais bagagem e reconhecimento internacional, falta-lhe talvez um discurso mais “povão”, mas isso nada que uma indicação de Lula não dê jeito e forma.

    Nosso plano continua sendo o “L” de Lula, mas Celso Amorim é um excelente “regra 3”.

    Minha proposta é registar no dia 15/08, a chapa Lula/Celso Amorim e caso o nome de Lula seja impugnado, Amorim seria o cabeça de chapa, com Haddad de vice. Essa alteração, segundo a legislação eleitoral, pode ocorrer até 20 dias antes das eleições, ou seja até 17/09, logo até essa data Lula poderia fazer campanha pra presidente e/ou denunciando a farsa jurídico eleitoral.
    #AmorimEOCara

    1. Concordo! Até pra não lançar logo e amanhã já aparecer a Gestapo a recolher relógios ou besteiras do tipo, na casa de Celso Amorim, dizendo que são do contrato com a Grippen. Essa será a primeira fake news da direita desesperada, apoiada por MBL e outros difamadores, depois replicados por veículos da grande mídia, em tabelinha com a banda podre do MP e o partido do Judiciário. Eles são tão baixos e manjados que o script é mole de se visualizar.

    2. Vamos afinar os ponteiros:
      – O limite temporal para a cabeça de chapa são 20 dias antes das eleições.
      – Insistir com Lula na cabeça de chapa e tirá-lo no segundo turno é o que a direita quer para botar Alkimin como terceiro no lugar.
      – O plano B 20 dias antes é muito arriscado.
      – A solução é “A Lá Putin”: Celso Amorim cabeça de chapa e Lula de Vice. Sim vice presidente.
      Como vice fará toda a campanha. Se Lula for impugnado o nome do Celso Amorim estará inexoravelmente ligado ao de Lula.
      Se houver a posse sem impugnação Lula continuará no Governo assumirá como ministro chefe da casa civil e eventualmente assumirá o governo ou representará o país no exterior para recuperar a auto estima da nação.
      Em caso de impedimento ou renúncia do Celso poderá assumir como presidente.
      Se durante a campanha os tribunais impedirem o vice de concorrer não poderão impedir o titular.
      Creio ter afinado sua proposta. É um nó no golpe.

      1. Lula Inocente! Lula Livre! Lula Presidente!

        Não é arriscado não. É uma jogada de mestre, e com poucas chances de apontarem os canhões prematuramente para o eventual substituto de Lula, quando e somente quando, os golpistas, com supremo, com tudo, barrarem definitivamente candidatura de Lula. Recordar e viver. Recordar é planejar. Jaime Lerner, de triste lembranças para os paranaenses, venceu uma disputa para a prefeitura de Curitiba, apeando da campanha o Algaci Túlio, pelo PDT de Brizola, faltando apenas doze dias. Talvez usassem até os dias para colocar em prática a tática. O PDT é 12. Lerner venceu a eleição. A tática foi montada no Rio de Janeiro, pela turma o Brizola ou em Curitiba? Não sei.
        Outro fato histórico vem de GETÚLIO VARGAS, após a deposição de 1945, com a famosa carta aos trabalhadores, pedindo votos na base da “dedada” . Indicou o General Dutra, golpista de última hora, para avalanche de votos de PTBistas e PSDistas, Contra a udn. Venceu a eleição presidencial e retornou vencedor em 1950, aclamado pela população. Getúlio Vargas era um gênio político. Luis Inácio Lula da Silva é Um gênio político.

      2. Sr Eudes,
        Sua sugestão soa perfeita como obra de engenharia política.
        Espero que o sapo barbudo considere a sugestão do Mino Carta, pelo menos, dessa vez.
        Abraços.

    3. Admiro muito o Celso Amorim por seu intelecto, independência e honestidade. Mas o momento é para enfrentamento pesado com a direita. Se não for Lula, para mim, o ideal é a senadora Gleisi Hoffman, o terror da direita. #SeBarraremLulaVouDeGleise

  2. Concordo com as reflexões do Mino Carta. O Celso Amorim é perfeito para qualquer cargo de responsabilidade como e dessa envergadura!

  3. A chapa Gleisi e Manuela seria imbatível.
    As mulheres estão na moda e com um grau de empoderamento numa inabalável curva ascendente.
    Gleisi tem mais manhã e mais carisma e é muito mais conhecida pelo povo, além de oradora com anos de excelência.
    Manuela de vice seria a cereja do bolo.
    Celso Amorim, nosso eterno chanceler
    Haddad, chefe da casa civil e Lula nosso eterno MESTRE.

  4. É uma escolha muito inteligente. Ao contrário do atual vira lata no Itamarty, Celso Amorim mostrou que sabe negociar firme com os grandes.
    É triste a esquerda ter que recorrer à planos alternativos porque a justiça prefere servir interesses à servir a lei.

  5. Mino Carta e Barbosa Lima Sobrinho, pobre do Brasil que desconhece estes dois gigantes. Tragicamente o Brasil de hoje é o país de Moro e Bolsonaro. Só Lula consegue furar a estupidez colossal que assola nosso país, é a exceção que confirma a regra.

  6. Admiro muito o Celso Amorim por seu intelecto, independência e honestidade. Mas o momento é para enfrentamento pesado com a direita. Se não for Lula, para mim, o ideal é a senadora Gleisi Hoffman, o terror da direita.

  7. Amorim é um ótimo nome, pois tem qualidades excelentes! De tudo é certo, o candidato é LULA! Que se fará representar por uma candidatura a ser no momento certo anunciada e pelo povo, fiel e esperançoso com o nosso Brasil.
    Pena, que alguns na ansia de ser o que não são, acabam por tropeçar na língua…

  8. até o Mino apunhalando o Lula pelas costas!!! é Lula ou nada..se não tiver o nome do Lula na urna é pra anular o voto, plano b ou votar em quem ele indicar é legitimar a ditadura e a prisão do Lula!!! sera que a esquerda não entende se um direitista ganhas r a eleição, o Lula será morto na cadeia!!!…tem que tirar o Lula da prisão na bala!!!

  9. Há uma semana, alguém era capaz de prever o que fizeram o Fachin e o TRF 4? Tento a todo custo vencer o pessimismo que quer tomar conta de mim…

  10. Depois de Dilma, tem que ser um candidato com pulso firme, e político. Se não, periga ser impichado. Gostei da alternativa. Melhor que Haddad que é um excelente quadro, mas não é político. Melhor que Wagner, que é político e um bom gestor, mas que a imprensa ia revirar a vida dele toda. Mas tem que ter um representante nordestino na chapa.

  11. Tem meu voto pelo que foi como Chanceler e ministro da Defesa nos governos de Lula e Dilma. Aliás, voto primeiro em Lula e, se ele não concorrer, em quem ele indicar.

  12. O Amorim é muito light, muito paz e amor,apesar de ser um cara ótimo.. Os canalhas iriam impichá-lo com 2 dias de governo.
    É necessário agora alguém que cause respeito e até temor nos entreguistas golpistas, e não se deixe intimidar, como o Requião, por exemplo.

  13. Concordo em gênero, número e grau (como se dizia em meu tempo), com a “sugestão” do grande Mino Carta. Entretanto, fica-me a dúvida: Seria Celso Amorim, um candidato “palatável” à imensa maioria do povo brasileiro, humilde e pouco informada sobre a política do país, em que pese sua, desse povo, fidelidade ao ex-presidente Lula? Esperemos que sim.

  14. Enfim uma luz. Eu já disse em vários comentários que Amorim seria a solução, com Lula de vice. Se impedirem o Lula, colocam o Requião no lugar dele. O MDB não ia gostar e o expulsaria, podendo ele ir para o PT ou outro partido de esquerda. Seria um tiro no coração dos golpistas.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.