Vereador, ex-PM, preso com Adriano expõe intimidade do “01” ao visitá-los

A informação dada pelo vereador Ítalo Ciba – ex-PM e e ex-companheiro de cela do miliciano Adriano Nóbrega – de que o hoje senador Flávio Bolsonaro os visitou diversas vezes na cadeia, é só mais uma confirmação da relação de grande proximidade entre os dois.

Não é, claro, crime visitar-se um preso. Mas ajuda a reconstruir o ambiente de promiscuidade com policiais criminosos em que vivia a família. Era, junto com as famílias de militares, o pilar eleitoral de Jair e sua prole.

Segundo o vereador, o próprio Nóbrega confirmava esta proximidade. “”Estamos sendo perseguidos porque somos amigos do presidente”, teria dito no último encontro dos dois, antes das eleições.

Há, porém, elementos concretos para que Flávio Bolsonaro, e já, estivesse sendo processado criminalmente por seu asqueroso ato de veicular imagens de um cadáver, que disse ser, e não era o de Adriano Nóbrega.

É crime de vilipêndio a cadáver expor publicamente um corpo naquela situação vexatória e o Ministério Público tem – ou tinha, sabe-se lá o que fazem os promotores hoje – a obrigação de agir.

Mas não agem e o circo de horrores só faz piorar.

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on email
Email

12 respostas

    1. Rapá, não sou de falar palavrões, mas assino e reconheço firma embaixo dos vossos palavrões, porque a coisa passou totalmente dos limites.

  1. Enquanto a esquerda estiver chorando e implorando p/ o mp ou a justissa agir nós estaremos perdendo para este clã Bolsonazi, está mais do que na hora de agir fora das instituições, pois esperar pela justiça, é uma perda de tempo, pois está tudo dominado.

    1. Exato! Passou da hora de a esquerda sair dos gabinetes com ar condicionado e conclamar o povo ao levante.

  2. “perseguidos por serem amigos do presidente”. Quanto ingenuidade! “Amigos!!!” Amigos a serem apagados como arquivos indesejáveis.

    1. Contam que a frase de Sepúlveda Pertence, ao finalizar a regulamentação da lei do Ministério Público foi: “criei um monstro”.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *