Wajngarten faz papel de moleque na CPI

O Senador Renan Calheiros, que tem o tique de sacudir-se quando fica nervoso, quase pôs abaixo a placa de acrílico da proteção anti-Covid instalada na mesa da CPI.

E o presidente da Comissão, Omar Aziz resumiu o papel do depoente: “o senhor não menospreze a nossa inteligência”.

Pois não era para menos, depois de um hora de evasivas e mentiras flagrantes do ex-Secretário de Comunicação de Jair Bolsonaro, Fábio Wajngarten, negando ou dissimulando não só o que disse na entrevista bombástica que deu à revista Veja – na qual disse que “houve incompetência” do Ministerio da Saúde na negociação para a compra da vacina da Pfizer – como sobre as campanhas em favor de “distanciamento social” que teriam sido feitas pelo governo federal.

Negou que tivesse – apesar de vários encontros com dirigentes da farmacêutica e de dar detalhes do contrato proposto por ela ao Brasil – que tivesse participado de negociações e deu uma explicação daquelas de “cabo de esquadra” ao “relativizar” sua afirmação à revista de que tinha “guardada” as comunicações que manteve com a Pfizer: disse que sim, mas que tinha sido no computador da Secom, ao qual não tinha mais acesso.

Ainda assim, é grave e inexplicável o que ele confirmou: que uma carta da Pfizer propondo o fornecimento de vacinas tenha sido dirigida a 4 ministros, ao presidente e ao vice-presidente tenha ficado dois meses sem resposta.

Vai recomeçar o depoimento e pouco falta para que ele seja ameaçado por uma ordem de prisão por mentir na condição de testemunha.

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on email
Email