a25ba0f02d020691809cbe79dc403604

50 mil. O “novo normal” é a morte

53 dias atrás, perguntado sobre as 5 mil mortes até então causadas pelo novo coronavírus, Jair Bolsonaro soltou o seu tristemente famoso “E daí, querem que eu faça quê?“.

Agora as mortes são dez vezes mais e o “querem que eu faça o quê?” está perfeitamente respondido com uma multidão de corpos inanimados recobertos de terra, sem direito sequer a um afago e um adeus dos seus.

Daqui a outros 53 dias, ao fim da primeira quinzena de agosto, é provável, segundo as projeções dos especialistas e seus modelos de projeção, que estejamos lamentando mais 100 mil vidas perdidas e não há esperanças de que Jair Bolsonaro esteja dizendo algo diferente do “querem que eu faça o quê?”

O presidente que certo dia disse que seria preciso morrerem “uns 30 mil” para o Brasil mudar, está na iminência de dobrar, triplicar, quadruplicar a “meta”.

É verdade que Jair Bolsonaro não ficou inerte diante da escalada macabra.

Não, ao contrário, ajudou a acelerá-la, chamando o povo às ruas, contrariando as medidas sanitárias, demitindo ministros da Saúde e entregando o posto a um general – o apetite dos generais palacianos por poder nem mesmo recusou-se a tingir de sangue as fardas militares – e se dedicando a salvar sua própria pele e a dos filhos diante de um mar de denúncias.

A última manifestação oficial do governo, com as assinaturas também do vice e do ministro da Defesa foi para dizer que as Forças Armadas não cumpririam “ordens absurdas”.

Parece que não é assim, pois seguem fabricando pílulas inúteis de cloroquina e seguiram as ordens de tentar abafar os números da pandemia, sepultando estatísticas junto com os cadáveres.

Contam que, passados 100 dias desde o início da epidemia, a morte tenha se tornado algo tão banal e presente que não haja mais reações ao genocídio.

Ocorre, porém, que neste período o próprio Governo tornou-se um paciente terminal, respirando por aparelhos de corrupção com a entrega de cargos, enquanto se retorce em meio a processos e escândalos.

O governo Bolsonaro vai morrer, não sem antes matar mais milhares, dezenas de milhares, de brasileiros e de brasileiras.

E será sepultado, como suas vítimas, sem possibilidade de lágrimas e de adeus.

a25ba0f02d020691809cbe79dc403604

15 respostas

    1. Esta figura tem uma ex-mulher cuja empresa de informática fez em 2019 negócios de 47 milhões com o ministério do Waintraub e um outro. Dizem que ela nunca se separou de fato dele, embora tenha se separado formalmente. A depender das investigações, não cairá uma casa, mas uma cidade inteira.,

    2. Esta figura tem uma ex-mulher cuja empresa de informática fez em 2019 negócios de 47 milhões com o ministério do Waintraub e um outro. Dizem que ela nunca se separou de fato dele, embora tenha se separado formalmente. A depender das investigações, não cairá uma casa, mas uma cidade inteira.,

    1. A elite econômica e os manda-chuvas do congresso já deixaram claro que não querem levar adiante nenhum dos pedidos de impeachment. Porque “agora não é o momento para pensar em impeachment”.

      Talvez em 2021. Para não ter novas eleições diretas. E também porque quanto pior fica a situação, mais caro se torna o apoio ao governo, melhorando o poder de barganha do “centrão” e da direita não-maluca (DEM e PSDB).

      Além disso, quanto pior estiver a situação do país na época, mais vai parecer um fazer que qualquer porcaria num novo governo medíocre pareça ótimo.

      P.S. Não entendo disso, mas parece que tem alguma lei dizendo que um presidente “não pode ser julgado, durante o exercício do mandato, por atos anteriores à posse”, ou alguma coisa assim. Não sei se aplica a crimes comuns e hediondos. Mas, se sim, isso significa que mesmo quando comprovarem a máfia da familícia, ele vai poder continuar no cargo.

      Aí talvez no finzinho do mandato ele se mande para o exterior num canto bem longe que não tenha acordo de extradição do país e de lá assine a renúncia.

  1. Fiz um cálculo bem simplório, mas que apesar de não ter nenhum rigor científico,, serve pelo menos para reflexão. O Botafogo fez exame em todos os seus 353 funcionários. São pessoas de todas as classes sociais. Dezessete estão infectadas, logo 4,8%. Se projetarmos esse percentual para Rio e São Paulo, só aí já seriam praticamente 1 milhão de infectados.

    1. Notícia de hoje (23/06) no site DCM:

      “Os resultados preliminares do inquérito sorológico que a Prefeitura de São Paulo está fazendo para descobrir quantas pessoas já foram infectadas pelo novo coronavírus na cidade mostra que o percentual pode chegar a 9,5%.
      Pelos resultados, cerca de 1,2 milhão de pessoas podem já ter sido infectadas —ou mais do que o total de Espanha e França juntas.”

  2. Cai bozo, entra mourão, tudo muda pra ficar igual. Se não houver cassação da chapa e novas eleições, o Brasil vai continuar cavando o fundo do poço.

  3. Esse advogado Fred vai derrubar Bolsonaro. As entrevistas rápidas dele na globonews e cnn ontem foram desastrosas. Mostram que mesmo depois de 72 horas da prisão do Queiroz não tem ainda nem um esboço de estratégia de defesa. Onde está o Queiroz? No escritório do advogado do Bozo e do Flávio.
    Ainda tem aquela foto do Luiz Gustavo Boto Maia, advogado do Flávio, com a mulher do Queiroz e Raimunda Vera Magalhães, mãe do Adriano da Nóbrega, que na época da foto era foragido da justiça. Ou seja, não tem defesa para os Bozos.

  4. A unica forma de ISSO ACABAR LOGO,depende da quantidade de apoiadores que o Bósta-onaro tem.Acho que são milhões,claro que grande parcela dos apoiadores,o fazem,pela VELHA E CONHECIDA COVARDIA DA CIDADANIA BRASILEIRA,que ao longo da história,sempre se colocou ao lado DA CANALHA CLASSE BURGUESA,daqui e de qualquer lugar,que venham.E esperam,como prêmio,tornarem-se também eles,BURGUESES RICOS TAMBÉM.Claro que no comando dessa massa SEM VERGONHA,está a pequena burguesia,cuja aspiração maior,ao longo da historia,era,é e sera,ficarem ricos.E como não vão conseguir,desabafam suas frustrações,no povo pobre.Que também coopera com essa gente.Então,quando o POVO DEIXAR DE SER PUXA SACO DE RICO,talvez mude algo,mas eu duvido.Conclusão;o puxa-saquismo,vicia.

  5. A unica forma de ISSO ACABAR LOGO,depende da quantidade de apoiadores que o Bósta-onaro tem.Acho que são milhões,claro que grande parcela dos apoiadores,o fazem,pela VELHA E CONHECIDA COVARDIA DA CIDADANIA BRASILEIRA,que ao longo da história,sempre se colocou ao lado DA CANALHA CLASSE BURGUESA,daqui e de qualquer lugar,que venham.E esperam,como prêmio,tornarem-se também eles,BURGUESES RICOS TAMBÉM.Claro que no comando dessa massa SEM VERGONHA,está a pequena burguesia,cuja aspiração maior,ao longo da historia,era,é e sera,ficarem ricos.E como não vão conseguir,desabafam suas frustrações,no povo pobre.Que também coopera com essa gente.Então,quando o POVO DEIXAR DE SER PUXA SACO DE RICO,talvez mude algo,mas eu duvido.Conclusão;o puxa-saquismo,vicia.

  6. Esse traste que está no governo consegue como ninguém governar a matança das pessoas porque jun tou a si tudo o que caterva de farda e conta um coro de corvos ainda grande no seio da sociedade. Infelizmente os tem a vida interrompida não oriundos apenas dos meios que a ele apoiam. Desculpem se estou revelando raiva aqui, mas estou mesmo muito p da vida por ficar dentro de casa todo esse período e ver todos os dias uma multidão vivendo como se não existisse pandemia. Eu sinceramente acho que cada um destes que poderiam ficar em casa e não ficam não deveria ser atendido pelos profissionais da saúde se pegarem o covi19. Essas pessoas estão nos obrigando a esticar o tempo dentro de casa para quem respeita as regras.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *