As vivandeiras esperem a segunda-feira

O espetáculo do “bombardeio” do Supremo com fogos de artifício e os 40 ou 50 alucinados que foram ao estacionamento do Quartel General do Exército, em Brasilia, são uma caricatura moderna das marchas direitistas do pré-64.

Mas apenas uma caricatura, porque a sua expressão não vai além de núcleos imbecilizados, visivelmente não representa fatias expressivas da sociedade.

Seu comportamento deve ser visto menos sob um olhar sociológico do que psicológico, porque são comportamentos antipolíticos, autoritários, que excluem qualquer possibilidade de relacionamento que não seja o da agressividade ou, um passo adiante, o da agressão.

Politicamente, porém, acabam sendo um desastre para os planos golpistas de Jair Bolsonaro, revelando a falta de base social para uma aventura militar.

E, sobretudo, criando o constrangimento a chefes militares que se veem na condição de serem postos a reboque de grupos de arruaceiros.

Pior, dentro de um quadro sanitário que ameaça, nos próximos dias, um agravamento da situação do país que poderá levar a um novo fechamento das atividades do país.

Pior que serem colocados como um caso de autoritarismo é serem colocados também como cúmplices de um caso de genocídio.

Amanhã começarão as reações a esta ofensiva que, ontem, recebeu a adesão explícita do Presidente, de seu vice e do Ministro da Defesa.

Ainda não no diapasão que merece a ofensiva fascista, mas forte o suficiente para um novo recuo.

 

 

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on email
Email

10 respostas

  1. Esses espetáculos grotescos são, também, um desastre para a imagem das Polícias e do Exército. Tanta agressividade com manifestantes pacíficos que defendem a democracia e tanta complacência com baderneiros perigosos que fazem ameaças… Dá para ver de que lado estão os que ganham para defender o povo.

  2. A única coisa que espero ver daqui pra frente, é a imagem deturpada que nossa juventude tinha a respeito da ditadura militar implantada a partir de 1964 indo até 1985, sendo finalmente desfeita. A coisa chegou a tal ponto que, conversando com alguns jovens amigos, finalmente eles entenderam o asco que sinto, relacionado a este período. Passados mais de sessenta anos, as cabeças pensantes de nossas forças armadas não evoluíram nada, continuam focados na guerra fria, não percebem que a correlação de forças mudou, não percebem que estão empurrando o Brasil para um caminho que levará a nossa destruição como país soberano.

  3. Não virá nenhuma solução de cima, de STF e que tais.
    Virá das ruas, de mudanças na geopolítica, da eleição americana
    Da possibilidade do Mike Pompeo pegar covid… rs
    [Estou gostando da reação do povo americano, isso pode nos ajudar]

  4. Se soltam rojão é porque não têm canhão. O problema deles é que o princípio básico da doutrina olavista que os rege é justamente responder a qualquer investida legal com cada vez mais agressividade e baixaria, em um crescendo de teatro do absurdo. Eles estão confiados que alguma esquadra poderosa vai invadir o Brasil para defendê-los de uma justiça que eles consideram que não tem autoridade alguma sobre eles.

  5. Acho muito otimismo pensar que algum militar esteja preocupado com a imagem das FA, metidas até o pescoço com esse desgoverno. Também estou esperando sentado as reações desses golpistas frouxos do STF. Pra completar, também não sei se esse povo estúpido desaprova mesmo os ataques ao STF e ao congresso. De positivo só vejo uma parte da juventude se mobilizando pela democracia, mas como diz a música, não confio (politicamente) em ninguém com mais de trinta anos.
    PS: sobre as novas “previsões catastróficas” sobre a Covid, prefiro não comentar.

  6. Lembro que em 1985, na Colômbia, terroristas do movimento M19, cooptados pelo narcotraficante Pablo Escobar, invadiram a sede do STF em Bogotá e assassinaram praticamente todos os membros do tribunal. O exército invadiu o local e matou tudo o que restava vivo. Até as baratas. É um dado a ser levado em conta. Pode haver matizes mas o final de aventuras idiotas é o cemitério.

  7. Esta irritadinho, desmontaram o acampamento dos 300 “picaretas”, vide as falas na paradinha de hoje no cercadinho, perdeu totalmente a linha.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *