Bolsonaro quer Exército e PF como “capitães do mato” contra lavrador

Na Folha adianta-se o segundo dos quatro passos do “licença para matar” anunciados por Jair Bolsonaro.

Agora, para usar “Garantias da Lei e da Ordem” para que forças federais esvaziem terras ocupadas por lavradores, a partir de reintegrações judiciais.

O argumento é o de que as autoridades dos estados “protelam” as ações policiais, negociando que a retirada seja pacífica e se encontre um lugar para que aquela gente pobre e desamparada vá.

“Quando marginais invadem propriedades rurais, e o juiz determina a reintegração de posse, como é quase como regra que governadores protelam, poderia, pelo nosso projeto, ter uma GLO do campo para chegar e tirar o cara”.

Para essa nobilíssima missão de “tirar o cara”, Bolsonaro acena com tropas federais, transformadas em jagunços com mandado para enxotar a pobreza rural, que se atreveu a ocupar terras, já devidamente excluídas de responsabilidades penais, pelo “passo um”, a decretação da licença para matar nestas operações.

Os militares vêem-se na condição que os puseram no início do século, em Canudos e na Guerra do Contestado, quando as oligarquias estaduais abocanharam as terras devolutas da União, através dos Estados. Agora, vai a União, através de polícia federal e militares, fazer o papel de guardadores de latifúndios.

Nos tempos em que defesa é, cada vez mais, conhecimento e tecnologia, regride-se um século.

Numa escala de zero a cem, a possibilidade de confrontos violentos – nos quais, agora, é liberado o uso de armas dentro das propriedades – é de 101.

Que triste figura fazem os senhores generais, agora convertidos em subordinados dos coronéis da roça.

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on email
Email

9 respostas

  1. E para nos contrapôr a isso ,nós temos que fazer política.?????????????????????????????????????????????????????????????

  2. estamos nos tempos medievais, com uma monarquia dominando o poder dos proletários. Precisamos lutar para recuperar nossa dignidade e resgatar a democracia em Brasília, local em que somente alguns pelagositos se sentem protegidos para blindarem o poder deste que não temem o povo.

  3. É muito triste pensar que os generais de hoje, no passado recrutas, todos de origem pobre, favelas, afro-descendentes, são as lideranças a cumprir ordens para mandar prender, arrebentar, jogar bombas, balas de borracha e … porque nenhum filho de papai vai servir o exército, vão todos direto para as universidades. Raul Seixas tinha razão.

  4. A rigor, os projetos de destruição dos estados periféricos, elaborados com o fim de manter esses estados em situação de submissão eterna aos poderes centrais do planeta, compreendem o desmonte das suas forças armadas e sua transformação em meros gendarmes de proteção para suas elites corrompidas e aliadas daqueles poderes centrais, contra sinais de rebeldia vindos de seus povos eternamente injustiçados e explorados. Mas o destino supremo do Exército é garantir, com o máximo de excelência profissional, a defesa do país contra ameaças de inimigos externos, assim como contribuir em tudo o que puder para seu desenvolvimento econômico-social e, principalmente, garantir a prevalência e o fortalecimento de sua democracia. Se as policiais são fracas, fortaleçam-se as polícias com ajuda federal, se o problema for constitucionalmente da alçada federal. Este país ainda não é uma ditadura bananeira na qual um somoza qualquer manda seu exército fazer o que ele bem quer.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.