‘Buraco Negro’, que levou o ‘Big Bang’, pode sugar também o ‘Renda Brasil’

Há sério risco de que o tal “Renda Brasil” possa vir a ter o mesmo destino do “Big bang” de Paulo Guedes: ser atraído pelo buraco negro do déficit orçamentário.

O mais provável é que converta numa correção de valor no Bolsa Família e na ampliação de sua clientela: a primeira mais expressiva, para produzir impressão pública e a segunda mais modesta, pois mais difícil de ser percebida coletivamente.

A prorrogação do auxílio emergencial até o fim do ano, ainda que com menor valor, vai adiar a percepção dos efeitos da crise, porque isso está, a fundo de dívida, mantendo a economia irrigada com cerca de R$ 50 bilhões mensais, o que compensa a queda da renda do trabalho, cerca de R$ 30 bilhões por mês.

Amanhã, o IBGE divulga o PIB do segundo trimestre, para o qual todos esperam uma retração da ordem de 10% ou pouco mais e não se espera que o quadro melhore muito até o final do ano.

Mas o encontro com as contas do cheque especial que vem sendo sacado sem preocupações não faz mais que adiar os efeitos da crise.

Há economistas que chegam a prever que o desemprego aberto – que o auxílio e as suspensões de contrato ainda camuflam, posse chegar a perto de uma dobra.

Tudo isso significa que a economia, após o alívio da reabertura geral – alguém ainda quer falar em distanciamento social? – não vai retomar e, portanto, as receitas públicas se estagnarão ou decairão.

Paulo Guedes é um cidadão completamente desprovido de sensibilidade social ou de capacidade política, mas sabe bem que não há dinheiro.

Sabe, porém, que não deve mais estar no ministério quando a bomba estourar e, daí, dá risada das broncas públicas que recebe do presidente.

Fritura demais acaba pondo fogo na panela.

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on email
Email

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *