Caso da Bolívia repete o efeito “Proconsult”: os pobres vêm por último

As denúncias de fraude na eleição boliviana “capengam” num ponto essencial: a direita e a OEA, que lhe está servindo de madrinha, têm “convicção”, mas não têm provas de que ocorreu qualquer desvio de votos.

O governo boliviano já disse que aceita qualquer auditoria séria que se queira fazer na contagem e, aliás, o único protesto entre os integrantes do Tribunal Supremo Eleitoral (o TSE deles) foi a renúncia do seu vice-presidente, Antonio Costas, que deixou seu cargo em discordando da suspensão da divulgação dos boletins da contagem expressa das urnas que, segundo ele, iria provocar intranquilidade e problemas desnecessários.

Mas não porque houvesse fraude: os subtotais da apuração que, disse ele, estavam absolutamente certos ao apontar a provável vitória de Evo Morales com base nos resultados transmitidos pelas mesas apuradoras locais. E os resultados da contagem urna a urna provaram que Costas estava correto.

O fato, primeiro e evidente: Evo Morales venceu a eleição, com pelo menos 47% dos votos válidos. Para você comparar: em outubro passado, no primeiro turno, Jair Bolsonaro teve 46% dos votos válidos e acho que não houve um que não dissesse que sua vitória foi acachapante.

A regra do jogo, lá, tem uma alternativa aos “50% + 1 voto” da nossa, em relação à desnecessidade de 2° turno. É, como na Argentina, que o vencedor tenha mais de 40% do eleitorado e abra uma vantagem de 10% sobre o segundo colocado.

Não 11, não 12, não 15: 10 pontos.

Existe alguma razão lógica para uma eleição que vinha, até a metade da apuração, virtualmente empatada, ter tomado outro rumo e ver abrir-se uma significativa vantagem para Morales?

Quem é do Rio e tem mais de 50 anos lembra como se montou o esquema para tentar fraudar a vitória de Leonel Brizola nas eleições para governador. Como a diferença era pequena (ao final, 3,57 % sobre Moreira Franco), criou-se um clima de dúvida, fazendo computar mais depressa os bairros de classe média e mais lentamente os da periferia e da Zona Oeste da capital, dando cobertura à tentativa de fraude na apuração eletrônica.

A geografia do voto na Bolívia, hoje, se presta a isso: Evo Morales perde nos maiores centros urbanos, mas continua inabalável nas comunidades periféricas e nas vilas indígenas no interior.

Quer um exemplo?

Na capital, La Paz, considerado apenas o município, ele perde (39% a 49% para Mesa). Mas veja o que acontece com a votação de Morales nos municípios que envolvem La Paz, que somam uma população muito maior que o centro: ele ganha com 50, 60, 80% e até 90% em quase todos os outros municípios (85 de 86), que representam mais de 75% do Departamento, que é o equivalente ao nosso Estado.

Estes urnas, claro, demoram mais a chegar e a serem computadas e o resultado expresso, com os resultados sendo transmitidos dos locais de apuração acabu por dar uma noção mais precisa do eleitorado que a apuração mais segura, feita por meio físico, que demorou – e está demorando, pois ainda faltam 541 urnas (1,4% do total) a serem contadas fisicamente.

E o que falta é absolutamente pró-Morales, em geral com grande diferença, que vai superar os 10,13% apontados agora e que já representam 613.536 votos, num total de 6, 606 milhão de válidos.

Não é pouca coisa e estes são os números. Falar de fraude sem dizer onde e como se fez é aquela do “padrão Aécio” que se tentou em 2014.

A fraude por “convicção”.

 

 

 

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on email
Email

15 respostas

    1. Acompanho seus comentários, jogo no mesmo time, acho que tá na hora de formamos grupos e maís grupos, debatermos, e levar esclarecimento de forma objetiva, isso poderá levar a “desihipitonizacao”, e quem sabe o início de uma revolução, pois sem ela estaremos mortos.

  1. Em dado momento da apuração de 2014, fhc já estava até se preparando para embarcar num jatinho para se dirigir ao local de comemoração da vitório do neto de Tancredo (só por isso chegou aonde chegou na política). Mas aí começaram a chegar os resultados do nordeste e… O resto é história conhecida. Esta direita vassala dos EUA já encheu o saco.

      1. Estava sim. Como sempre o oportunista presunçoso, FHC, iria embarcar em um jatinho, rumo a BH, após a divulgação da globo.

    1. O UOL chegou a dar chamada no site falando da vitória do Aécio. Teve que tirar do ar rapidinho quando chegaram às urnas dos rincões mais distantes do país. kkkkkk

  2. Toda festa tem seu fim. O que se vê no Chile é o fim da festa neoliberal de lá. Durou trinta anos e como resultado gerou apenas uma dúzia de bilionários que dão bananas para sua terra, enquanto o povo chileno comeu o pão que o Diabo amassou. Agora, tentam restabelecer as políticas sociais, para ver se conseguem pelo menos manter vivo o próprio país.

    Não adianta tentar sensibilizar os neoliberais entreguistas do Brasil mostrando~lhes o exemplo do Chile. Eles sabem muito bem que o resultado de sua política será o desastre total do país, mas o que eles querem é justamente repetir a festa chilena, uma festa que durou trinta anos e esvaziou o bolso de milhões para encher as burras de alguns poucos bilionários.

  3. A apuração brasileira foi feita por ELES,controlada por ELES,”fiscalizada” pela pusilânime Rosa Weber a frente do TSE.
    Com o tempo iremos saber que 2018 foi uma gigantesca FRAUDE.
    Os delinquentes neo-liberais tentaram nas eleições argentinas , a manipulação dos dados da contagem rápida dos votos,para assim deixarem sentada a idéia de vitória ,que logo não sería confirmada pela contagem manual e lenta.
    A partir daí estaría sendo iniciada a operação “denúncia de fraude” e o resto a gente conhece.
    É interessante observarmos a total falta de escrúpulos que os delinquentes direitistas têm na hora de enganar a massa.
    Não conseguiram,nem conseguirão domingo,a oposição denunciou e provou a facilidade de manipulação dos dados.

    1. E ainda tivemos de aguentar o Haddad desejando bom governo a Bolsonaro e o Boulos dizendo reconhecendo o resultado

    2. E ainda tivemos de aguentar o Haddad desejando bom governo a Bolsonaro e o Boulos dizendo reconhecendo o resultado

  4. Eu chano de síndrome do menino mimado dono da bola que não sabe perder, pega a pelota e sai correndo chorar nas saias da mãe, no caso, nas calças do Tio Sam. Aécio, Capriles, Mesa: não aceitam perder de jeito nenhum. E depois nós, da esquerda, que somos “autoritários” pela rejeição ao liberalismo.

  5. É aquela história de gritar fraude e entrar com recurso no TSE só pra encher o saco deles…

  6. estamos no melhor laboratório até agora,sabemos até o timing da operação midiática .

    já vimos 2014 e 2018.

    não me esqueço,em 2014 ,no final do domingo de apuração do segundo turno, a transformação facial,um filme de terror na cabeça dele, do Álvaro Dias,na Band,ao saber ,no pé do ouvido por um assessor,que o resultado havia virado…

  7. Ontem estava conversando com uma amiga do Alagoas, explicando a importância de Brizola para o Rio Grande do Sul e para o Brasil e falei sobre o caso proconsult quando ele foi governador do RJ e tentaram fraudar o resultado da eleição. Embora atualmente Bolsonaro tenha grande apoio aqui no RS, essa semana estava caminhando na rua quando vi um outdoor que colocaram aqui na cidade pras pessoas se filiarem ao PSL e junto a foto de um deputado estadual do PSL que é daqui, ainda existe muitos Brizolistas no RS. Tanto q na maioria das cidades, principalmente do interior, as eleiçoes municipais são polarizadas entre pdt (brizola) e PP (arena). Aqui na região onde moro na eleição de 2016, com o início do golpe, o PP ganhou em todas as cidades da região com exceção da cidade onde moro que ganhou o PDT.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.