Gasolina sobre e ajuda a empurrar mais a inflação

A inflação de agosto, que prometia apontar uma pequena queda em reação à de julho, pode frustrar esta expectativa, com o anúncio, hoje, de um aumento de 3,4% nos preços cobrados nas refinarias.

O novo valor entra em vigor amanhã e, neste momento, muitos postos estão recalibrando as bombas para cima, e certamente e, mais do que os 9 centavos que se cobrará a mais por litro para encher os caminhões tanques das distribuidoras.

Mesmo antes do anúncio, as previsões para o IPCA do mês já vinham subindo. Dos 0,44% da semana anterior já foi para 0,55% na projeção da Associação Brasileira das Entidades dos Mercados Financeiro e de Capitais, a Anbima.

Ainda bem abaixo dos 0,97% registrados semana passa ]da pela Fundação Getúlio Vargas, embora deva ser considerado que o final do ciclo de absorção do aumento da energia elétrica provavelmente o faria reduzir a taxa.

A questão é que a inflação de agosto de 2020 foi baixa – 0,24% – e uma taxa superior a 0,7% no mês atual já joga o índice anual para 9,5%, bem perto da marca temida da inflação de dois dígitos.

O preço dos alimentos seguem em alta: nos reportes da Cepea/USP, registram-se neste momento altas no tomate, açúcar, ovos, arroz, laranja e limão, entre outros.

A queda nas vendas do varejo em junho, apontada hoje pelo IBGE, já reflete esta elevação dos preços: as vendas caíram 1,7%, embora o valor tenha subido 2,5%.

Nos supermercados, setor onde a demanda não é elástica no tempo, como pode ocorrer em outras aquisições eletivas, a queda do volume de vendas, comparado o primeiro semestre de 2021 ao desastroso caos dos primeiros seis meses do ano passado, o volume de vendas baixou 2,2%, muito para um consumo já sempre insuficiente.

 

 

 

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on email
Email

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *