No Estadão, a história por trás dos tuítes: Carluxo é o “esquadrão da morte” do pai

Como no mundo das máfias, das milícias, das sociedades secretas, das organizações criminosas em geral, o preço da ambição é a morte.

Quando estes grupos se instalam na política, a morte política, naturalmente.

Onde, modernamente, as Glock e as Beretta são o twitter, o facebook e o instagram.

Vera Rosa, no Estadão de hoje, trata das confissões de Jair Bolsonaro, em clima de vanglória, de como ele despacha o filho, Carlos, como “matador” dos que considera traidores.

Primeiro Gustavo Bebianno, marcado para morrer desde que “detonava todos os candidatos a vice [presidente] e agia como um “traidor” para ocupar o posto”, segundo a narrativa de senadores e de um deputado que viajaram com Bolsonaro para um encontro de pastores.

No “voo da queimação”, como ficou conhecida aquela viagem entre os passageiros, Bolsonaro lembrou que havia convidado o general em cima da hora para ser seu vice, no ano passado, porque tinha certeza de que o então presidente do PSL, Gustavo Bebianno, queria a vaga. A convicção vinha do fato de que todo político chamado na campanha para fazer dobradinha com ele era “fuzilado” no outro dia pelos jornais.

Marcado na paleta, como se diz no Sul, Bebiano resistiu apenas o tempo necessário para que Carluxo o detonasse no um projétil .twitter, chamando-o de “mentiroso”.

No mesmo vôo, Bolsonaro antecipava o que o filho faria esta semana, para atacar Mourão:

Descontraído, acima das nuvens, Bolsonaro apresentou ali vários problemas com o vice que, nove dias depois, apareceram nas redes sociais do vereador Carlos Bolsonaro (PSC-RJ). Ele não gostou, por exemplo, de Mourão ter aceitado fazer palestra no Wilson Center, nos EUA, no dia 9, após receber um convite dizendo que os primeiros cem dias do governo foram marcados por uma “paralisia política”.

No texto, a jornalista diz que “Generais próximos de Bolsonaro tentam pôr panos quentes na crise, mas, a portas fechadas, admitem que Carlos está “incontrolável”.

Não, ao contrário.

Mostram que Carlos é absolutamente controlado. Mata quem o pai manda matar politicamente, pela longa manus  das redes sociais.

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on email
Email

13 respostas

  1. Com medo do “comunismo comedor de criancinhas” (coisa que o PT nunca praticou), os milicos associaram-se com um degradado ligado à milícia.

    Vai que é tua, Taffarel!

    1. Aliás até hoje não soube nenhum comunista que tenha comido criancinhas, sejam petistas ou não…

  2. Espero que matem uns aos outros em larga escala. Até que os generais estúpidos que elegeram Bozo acabem falando sozinhos com os botões de suas fardas. Ou com os seus pijamas.

  3. É triste e irônico o povo iludido ter acredito na baboseira de que “qualquer coisa é melhor que PT”, que “tem que tirar o PT do poder porque ele é o partido mais corrupto”. Bozo tá mostrando que é um verdadeiro criminoso, principalmente na maneira de agir.

  4. Eu acho que estes “brigas” são desvio de foco, tai a reforma lixo da previdência passando, e onde esta o Queiroz?

  5. E muito triste e lamentável que nós próprios e muitos outros de nós que foram impiedosamente sacrificados durante a criminosa e sangrenta ditadura militar vejam o país entregue a essas Organizações Criminosas.

  6. Carluxo treina tiro no mesmo lugar q o “maluco” do “atentado”. Por isso bolsopai não cansa de dizer que deve sua eleição a ele.

  7. A direita por puro oportunismo elegeu Bolsonaro e sua turma….A classe média por puro ressentimento e raiva dos pobres
    elegeu Bolsonaro e sua turma….O Mercado Financeiro por pura ganancia elegeu Bolsonaro e sua turma….e os pobres de direita por pura burrice embarcou na mesma onda…..Escolhas tem um preço. Todos vamos pagar por isso.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.