O legado da estupidez não se desfará só na política

Lamento discordar de quem acha que Bolsonaro e o bolsonarismo são o que de pior temos no país.

Infelizmente não o são, representam emanações – horríveis e fétidas, é verdade – de um lodo que sempre existiu e que, durante a maior parte da “Era Lula”, com a bonança econômica, permaneceu assentado até que surgiu em 2013, quando a parte da classe média levou às ruas as exigências de “Padrão Fifa” para escolas e hospitais, em contraposição aos estádio daquela Copa que, pouco tempo antes, era motivo de suas comemorações “patrióticas”.

Não é o caso e tratar aqui esta história, menos obscura do que parece, mas de nos apercebermos que elas, embora sejam excitadas pela mídia e amalgamadas por personagens como Carlos Lacerda, Fernando Collor, Sérgio Moro e , agora , Jair Bolsonaro (reparem a escala fortemente acentuada de estupidez), existem.

São mais reais e significativas que os atores políticos que as galvanizam.

E como dispensam a racionalidade e se alimentam de nutrientes básicos – moral, religião, autoridade – e de argumentos simplórios – anticorrupção, pseudopatriotismo, policialismo e “modernidade” – toleram, quando não aplaudem, as maiores barbaridades.

Postas a flutuar, como um mancha sufocante, não se desfazem com as ondas da política, apenas, e a história recente o comprova. São resilientes, gosmentas, grudam, aderem à vida social e engolfam todo o campo conservador ou liberal que não podem ensaiar independência e realizar submissão, porque ajudaram a construir o ódio o qual se deixaram capitanear na política.

São prisioneiros de sua cria.

Nada disso torna menos necessário e essencial a luta politica, mas aguça a compreensão de que é a falta de um projeto de país – e, portanto, de um projeto econômico como meio para isso – o que pode dissolver a maré autoritária e a borra de estupidez que está sufocando a vida nacional.

Muito menos cair-se no conto de que a presença e Lula, a única referência politica entranhada na alma popular, onde quer que ela esteja, serie um empecilho para que a população descobrisse um hipotético “novo” que a pudesse empolgar.

E isso não é uma questão de “torcida”, mas da inevitabilidade de que um país imenso como o Brasil não pode seguir desgovernado, sem rumo com está e que a memória do governo no velho líder é capaz de contrastar.

O povo tem a estranha mania de ter memória, inclusive intergeracional.

Na política, é natural o rondó dos que querem se apresentar como “o novo”, nestas épocas preliminares.

Mas na hora do combate, duvido que, se a direita não o mantiver impedido, o povo brasileiro não vá buscar Lula para dar seus últimos anos de vida ativa ao esforço e recolocar este país no caminho em que desenvolvimento e justiça social, como dizia o velho Brizola, sejam dois trilhos de uma estrada de ferro.

Mas a história é também uma pirâmide, onde novas pedras devem se assentar sobre as antigas, aquelas que seus inimigos sempre querem demolir.

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on email
Email

17 respostas

  1. Excelente ! Eu, de um jeito tosco, resumiria da seguinte forma: na média, ressalvando os segmentos que escapam a esse padrão, Bolsonaro é apenas um subproduto do povo mais imbecilizado e canalha politicamente do mundo.

  2. Caro Brito se não derrubarmos essa quadrilha nada restará de País para se gerir em benefício do POVO,é preciso que um candidato tenha a coragem de dizer a Nação que ira rasgar contratos e desrespeitar acordos com os saqueadores de nossas riquezas e alertar que a luta será imensa.é preciso coragem cívica e verdades duras.

  3. Bolsonaro tem estado muito alegre ultimamente. Se vier a greve dos caminhoneiros, com ela poderá vir o caos. E este tipo de fascismo precisa justamente disso para passar de ninfa imatura a inseto adulto: Do caos. O caos poderia ser a salvação para um governo sem saída e disposto a quase tudo. Não que as greves não possam acontecer, pelo contrário, é necessário que elas aconteçam. Mas é preciso saber de todos os riscos que se está a correr.

  4. Bollso em sua magna estupidez, que não está sozinho, tem como sonho de consumo uma guerra civil ou uma guerra com outro país.

  5. Mas o Brasil está seriamente atingido por um câncer que tomou conta de todo o corpo. A célula cancerígena sempre esteve presente e todos sabiam: o PIG. Se instalou em todo o tecido social, com mais gravidade nos seguimentos conservadores presentes em todas as classes sociais. Agora só tem uma saída: um “monstruoso” e arriscado choque quimioterápico-radioterápico, que pode ser representado pelo povo na rua. Mas, como viabilizar essa agenda, esse tratamento? Como conduzir, como coordenar, quem coordenar, como…?

  6. Pior do que Bolsonaro é ter em suas fileiras inimigos se passando por amigos!!! O fogo amigo é aquele que sempre te pega de surpresa. Errar é humano, mas persistir no erro é PTismo!!! Já tivemos Cristovan Buarque, Marta Suplicy, Marina e outros. E agora o governador da Bahia!! A figura já está dizendo que apenas repetiu a informação dada pelo seu secretário, posto que ele não entende nada de milícia. Só falta ele dizer que foi a bala atravessando o corpo do Adriano que o matou, e não quem atirou!!!

  7. Os admiradores do falso MITO, tem uma grande parte nos trabalhadores informais e de baixos salários. Economia para eles
    é de ter dinheiro para comprar o pão. Grande parte não tem plano de saúde. Portanto vivem sobre a proteção do SUS.

  8. Excelente ! Eu, de um jeito tosco, resumiria da seguinte forma: na média, ressalvando os segmentos que escapam a esse padrão, Bolsonaro é apenas um subproduto do povo mais imbecilizado e canalha politicamente do mundo.

  9. Fernando,Meros sonhos senhor Fernando,como muitos outros ao longo da história.O maior engodo,criado pelas elites das sociedades de classes,naturalmente visando seus privilégios, é o que deram o nome de DEMOCRACIA.Isso,do ponto de vista dos interésses ,como dizia o sr.Leonel,das grandes maiorias,serviu e serve,para APLACAR POSSÍVEIS “ODIOS DE CLASSES”,que se levados a sério,redundariam em REVOLUÇÃO SOCIALISTA.Claro esta,que nas sociedades socialistas,continuam existindo uma divisão entre muitos,mas ao menos,a DITADURA DAS MAIORIAS,obriga todos,a trabalhar e viverem com o fruto de seus esforços.Fora disso,senhor Fernando,é pura e cínica DOUTRINAÇÃO PRÓ PRIVILÉGIOS DAS MINORIAS,os PROPRIETÁRIOS DAS RIQUEZAS DE TODOS.E simplesmente,um EMBUSTE.

  10. 33% somos esquerda, 33% são de direita, 33% são os idiotas e 1% (mercado e elite) manipulam e dominam os 99%.

  11. Penso que Lula e a direção do PT deveriam ouvir os sábios conselhos de Gilberto de Carvalho, Tarso Genro e outros íntegros petistas. Talvez ouçam depois das eleições de Outubro deste ano, quando o PT sofrerá sua maior derrota eleitoral. Isso está desenhado com traços ainda mais fortes do que os que indicavam o resultado de 2018. O sebastianismo nunca foi progressista, emancipador.

  12. Por esse artigo supõe -se que essa lambança é ocasional, errado, essa lambança faz parte do jogo de dominação americano é nada tem de imbecil, é jogo pesado da geo-política que usa agentes internos de baixo caráter e maleáveis ao canto da sereia, usam um suposto comunismo como inimigo e através de lavagem cerebral regada a benesses financeiros e a busca irresponsável por poder, para dominar. Evidentemente o uso atual dos justiceiros de plantão, ameaças físicas aos que resistem apoio de uma mídia laranja, implantam ditaduras fantasiadas de democracia, essa aí “em vertigem”.

  13. A questão é 57.797.847 que votaram no mico, 2.486.593 que votaram em branco, 8.608.105 que anularam seus votos e 31.371.704 que nem foram votar, totalizando 100.264.249 cidadãos brasileiros responsáveis por este estado de coisas.
    Como os 47.038.963 que votamos no professor doutor Fernando Haddad, podemos mudar a cabeça de 100.264.249 pessoas, para ficarem vacinadas contra isso e não esquecerem nunca mais?

  14. Hoje mesmo se implanta a escola militarizada.
    Ela formará a “Juventude Hitlerista”.
    Que formada só se extinguirá no futuro após a “terra arrasada”.

    Conforme ensinou experiência vivida em outras europas.

  15. A experiência de vida de Mujica levou-o à seguinte reflexão: “O maior erro de nossos governos de esquerda foi ter produzido consumidores e não ter desenvolvido cidadãos”.

    E tem gente boa que ainda acredita que a Política deve ser verticalizada e um “mito” deve ser reverenciado e obedecido. Isto só é válido numa concepção autoritária e não emancipadora.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.