Quando Bolsonaro começará a governar? Nunca…

Helena Chagas, agora à tarde, pergunta, em bom artido no site Os Divergentes, quando é que Jair Bolsonaro vai parar de brigar, com todos, em tudo, todo o tempo, e começar a governar.

Com todo o respeito, Helena, isso não é pergunta que se faça.

Porque Bolsonaro não governa e nem vai governar hora alguma, ao menos se entendermos governo como algo que dá rumo ao país.

A pergunta que cabe é quando o Brasil vai se desgovernar completamente com Jair Bolsonaro na presidência.

E o impedimento de Bolsonaro para governar é intransponível, porque é ele mesmo.

Incapaz, grosseiro, rasteiro, mergulhado no mundo pequeno dos ódios e sem nenhuma visão de país que não seja a das afirmações abstratas de grandeza.

Bolsonaro desocupa-se, para tuitar abobrinhas, de cuidar de um país que está mergulhado numa longa e profunda crise e, três anos depois do impeachment, só o que tem a dizer sobre ela são menções ao regime “comunista e corrupto” em que fabula termos vivido.

Helena, aí, tem razão em imaginar que “mesmo os bolsonaristas um dia comecem a enjoar da pauta ideológica ou de costumes quando perceberem que ela não vem acompanhada de medidas efetivas para resolver os problemas do país”.

Mas sinto, cara e lúcida colega: isso vai demorar.

Para manter-se no poder, como fez para vencer as eleições, Bolsonaro não precisa de projetos ou programas, basta-lhe insuflar o clima de ódio e contar com o apoio das armas, policiais e militares, para falar em nome da ordem e da repressão.

Ah, sim, e agradar o mercado, vendendo empresas, riquezas e queimando direitos sociais.

Isso não é governar, é desgovernar,  deixar que a sociedade se organize pela lei da selva.

A elite, inclusive a econômica e a estatal, sabe dessa incapacidade. Mas quer Bolsonaro lá como um personagem de festinha infantil figurando para a plateia que temos, enfim, um governo.

Embora já não o tenhamos e, pelo visto, não o teremos, enquanto ele estiver lá.

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on email
Email

10 respostas

  1. Analisando friamente, a perspectiva é de alguns anos, para que a ficha da Zumbilândia caia em relação à tragédia em que eles mesmos jogaram o Brasil.
    Mas tem de haver esperança e eu tenho, de que algo aconteça e comece a virar esse jogo pra valer.

    1. Desista. Vai virar, pra depois desvirar… e vai ser sempre assim. Descobri isso quando vi as fotos dos protestos da Paulista ao lado das fotos dos protestos pre-ditadura de 1964. O Brasil vai ser sempre isso que vc estah vendo agora. E ai de quem tentar mudar isso… vai mofar na cadeia sendo odiado pelo povo por um apartamento e um sitio que nao sao dele.

  2. Fernando, parabéns pelo TEXTO, mas a hora que cair a ficha nesses abotoados de ódio que votaram nessa AMÉBA…ai vai ser tarde…espero que não…

  3. DE MONSTROS
    Quem se compraz com morte de criança
    Externa um ódio incomensurável
    Por quem saiu da plebe na esperança
    De dar ao nosso povo vida estável.

    Donde saíram as humanas feras?
    Da Caixa de Pandora que se abriu…
    E vislumbrando suas vis quimeras
    A nata da maldade então fugiu.

    Que gente é essa que chama de mito
    Um presidente bruto e imbecil,
    Tão simiesco que provoca atrito

    Com meio mundo para ser servil,
    Do modo mais infame e irrestrito,
    A quem nos chama de “quintal brazil”?!
    Tarcísio Arruda
    08/03/19

  4. Não houve ataques com bombas, mísseis, desembarques de tropas e nem mesmo desfile dos soldados vencedores pela capital do país conquistado, por isso é difícil para a maioria perceber que o Brazil foi atacado e derrotado numa guerra em que os “soldados” que nos atacaram foram brazileiros que traíram o país. O Brazil, hoje, está sob ocupação, tem um governo de ocupação como o Afeganistão, Iraque e a França teve na segunda mundial (República de Vichy). Como vamos sair desta encrenca? Não vamos enquanto os ianques não tiverem se aprofundado em sua decadência e enquanto não compreendermos que os nossos inimigos mais atuantes são gente nascida e vivida aqui mesmo. O que está acontecendo é o que sempre aconteceu nas guerras: os vencedores se apoderam de tudo que lhes interessa do país derrotado. Nosso momento histórico é este: somos um país que perdeu a soberania. Talvez isso signifique ser menos que colônia.

  5. Prezado Brito,

    O Bolsonaro já está governando e cumprindo o acerto com o setor financeiro. Ele não fará absolutamente nada nas outras áreas, além desse estrago que já se anuncia: reforma da previdência e a PEC da desvinculação geral do orçamento. Isso atende claramente os interesses do setor financeiro, esse parasita dos recursos da sociedade, e é o que o Bolsonaro vai entregar. Concordo plenamente com o comentário do leitor Alberto Cipiunik, feito no post anterior. Os agiotas legalizados não têm a menor preocupação com o desenvolvimento econômico do país, com as diferenças sociais gravíssimas existentes no país e nem com as gerações futuras.
    Enquanto a sociedade não enxergar o quanto transferimos de recursos para os rentistas, continuaremos sendo tungados por esses larápios de fino trato. Só em 2018, o orçamento executado drenou 40,66% para pagamento de juros e amortização da dívida, em torno de R$ 1,0 trilhão. Isso é roubo às claras e legalizado. Não há sociedade e economia que consigam se sustentar com tamanha transferência de renda. Esses são os verdadeiros bandidos e devem ser tratados na Lei de Talião, olho por olho, dente por dente.

  6. Pra quem não se recorda:

    10 de janeiro de
    2003 : Lula leva ministros a ver pobreza extrema ; comitiva presidencial
    visitou bairros carentes em Teresina e Recife. Dias depois, é lançado o
    Programa Fome Zero.
    Ali, sim, tínhamos um governo.

  7. O desemprego somado com a precarização do emprego que resta, com o aumento estrondoso dos empresários de calçada, não vai ceder. Pelo contrário, deverá aumentar. A renda da população dos mais desprotegidos reduziu e, logo, logo, o mesmo dar-se-á (saudades dos tempos da mesóclise) com a da classe média.
    As empresas, sem consumo para sustentar crescimento fragilizar-se-ão (essa foi supimpa, mesóclise com ão é do perú, dá até prá usar gíria do tempo em que o ex-vice era moleque). Quer comprar máquina nova?,Abriram a caixa preta do BNDES (kkkkkk). Cabou esse negócio de financiamento subsidiado, agora é juro e prazo de mercado na veia cambada.
    A agricultura, se a ideia do Posto Ipiranga der liga, sem crédito oficial e sem subsídio fiscal vai murchar. Ainda mais se o negócio do primo Trump com os chineses der certo. Tchau exportação a dar-com-pau de soja e carne pro maior mercado do mundo. Pena que não vai ter dancinha coreografada nem passeata de trator. Cabou a moleza. Dancinha e passeata contra o governo? Vai acabar em bomba, borracha e bala. Tão pensando que tão lidando com quem?
    Economia, fraquinha e um presidente que prá incompetente tem que melhorar muito, liderando uma equipe em que militares são gênios democratas, nem precisa elaborar. Meu irmão, escreve aí, vai dar a maior merda.

  8. Portanto a pergunta carece de pertinência; o sujeito NÂO foi eleito pra governar, conforme mostra
    o histórico dele claro pra todo mundo.Sua competência é pra isso que se vê no dia-a-dia e c’est fini.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.