STF julga Lula na 3ª-feira. Ou melhor, julgará (e absolverá) Moro

Enquanto seguem adiando para as calendas o julgamento que interessa – a constitucionalidade de prisão em 2ª instância, aquela que a Ministra Rosa Weber ser contra, mas vota a favor – o STF anda rápido com outro processo de Lula, onde é certo que ele vai perder.

O ministro Ricardo Lewandowski, marcou para a próxima terça-feira,  dia 4, o julgamento do caso onde o ex-presidente alega que houve “perda de imparcialidade” do ex-juiz federal Sergio Moro por ele ter aceitado ser ministro da Justiça e Segurança Pública do governo do presidente da República eleito, Jair Bolsonaro.

Ora, até as pedras do caminho sabe que Moro não perdeu a imparcialidade, porque imparcialidade, porque parcial ele é desde antes de o processo de Lula ter chegado a Curitiba. O que Moro perdeu, e definitivamente, foi o decoro. Mas querer decoro parece hoje , neste Brasil de poderosos selvagens, uma excentricidade.

Aliás, Janio de Freitas, hoje, é demolidor sobre isso, em seu artigo na Folha:

No mundo não atrasado, inexiste o país onde um juiz pusesse na cadeia o líder da disputa eleitoral e provável futuro presidente, e deixasse a magistratura para ser ministro do eleito por ausência do favorito.
O juiz italiano da Mãos Limpas [Giovane Falcone] tornou-se político, mas sua decisão se deu um ano e meio depois de deixar a magistratura. Moro repôs o Brasil na liderança do chamado subdesenvolvimento tropical, condição em que a Justiça se iguala à moradia, à saúde, à educação, e outros bens de luxo.

Nem o STF – perdoem-me as maiúsculas – nem qualquer instância judicial brasileira é capaz, hoje, de fazer frente ao homem que, neste momento, afia as baionetas de sua chefia da polícia politica do Brasil e prepara uma Lava Jato, agora com (mais) jurisdição nacional.

O resultado da ação de de Lula contra a parcialidade da qual todos sabem mas ninguém falará é, portanto, algo já definido.

Aliás, só por isso foi marcado, para dizer formalmente o que todo mundo sabe que é mentira.

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on email
Email

15 respostas

    1. Eu sou velho, 73 anos. E confesso não ter mais esperança de voltar a ver o país caminhando em busca de seu futuro. Nós nos acostumamos com tudo na vida e, no caso do país, talvez não percebamos o tamanho da tragédia que se abateu sobre nós. Imagino que muitos compatriotas que vivem no exterior tenham vergonha de se dizer brasileiros

  1. Quem sabe a segunda turma nao mostra que alguma coisa da justiça ainda funciona no Brasil?

    1. É esperar de mais da quadrilha …
      Esse julgamento foi liberado apenas para isso… Legalizar o ilegal… rasgar a constituição e decretar o poder da quadrilha do supremo e tudo ! Eles podem tudo …

    2. Impossível! Eles teriam que admitir muitos erros, inclusive o de terem manipulado o processo eleitoral. Vão continuar com a farsa.

      1. O proprio Lewandoski teve a chance de frear o processo na origem (julgamento e condenação sem crime de Dilma pela patota do Temer no Congresso)

  2. É a oportunidade que o Gilmar esperava para se apresentar como julgador sério. Vai jogar para a torcida e para ficar de bem com a mídia!!!

  3. A ordem é Lula morrer preso. Terça com frases prontas e explicações que não convencem, será negado mais um habeas corpus. E Moro vai continuar cometendo ilegalidades apoiado pelo supremo com tudo.

  4. O que não consigo JAMAIS compreender é como conseguem ofuscar o óbvio e darem ar de verdades a mentiras patentes (!!!) . . . Por exemplo, como é que vão esconder isso, de um juiz (no caso do Moro, desculpe-se o exagero da expressão) por na cadeia o líder da disputa eleitoral e provável futuro presidente e depois deixar a magistratura para ser ministro do eleito por ausência do favorito ? Absurdo, pior do que realismo fantástico, surrealismo total…

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.