O coronavirus é um alerta contra o abandono da medicina social

O constante elogio da medicina privada no Brasil – expresso na deformação que alcançamos com os “planos de saúde” sendo o esteio de dezenas de milhões de pessoas, sustentados pela renúncia fiscal do Estado – vai enfrentar uma dura prova caso o primeiro episódio de contaminação por coronavírus registrado no país – tomara que não – se expanda para uma situação de surto, como está acontecendo em vários países, agora.

Medicina social não é uma opção ideológica, é uma imposição sanitária, porque a doença, quando contagiosa, não é privada, é pública.

Vírus e bactérias não se importam se o seu hospedeiro tem ou não plano. Eles, ao contrário de muitos de nós, nos igualam na condição humana.

Fez-se muito para destruir nossa atenção primária em saúde e nada se fez de pior senão a campanha contínua de desmoralização do SUS.

Não só desqualificando nossa primeira linha de combate à doença – bom mesmo é a “tropa de elite” dos hospitais-hotéis – como também se desviaram para as “especialidades” lucrativas gerações de médicos que, até os anos 70/80, seguiam a grande tradição e capacidade brasileira de enfrentar, desde Carlos Chagas e Oswaldo Cruz, as moléstias de natureza infecto parasitárias.

Cruz, aliás, só erradicou a febre amarela do Rio e Janeiro porque os governantes apoiaram suas medidas “chinesas” e enfrentaram até uma tentativa de golpe junto com a chamada “Revolta da Vacina”.

Como combater epidemias com uma saúde basicamente privada?

Tratar dos infectados ricos e deixar os infectados pobres amontoarem-se em galpões? Seguir a ideia exposta pelo presidente da república de que “esse pessoal com HIV dá uma despesa enorme”?

Não há motivos para crer, até agora, que o coronavírus vá ser uma epidemia por aqui.

Mas não ter motivos assim, em cuidados com doenças deste tipo e com este potencial ofensivo, em medicina, não é motivo para não agir. As medidas de bloqueio, facilitadas por que o vetores são humanos e as portas de entrada aeroportos e portos, tem de ser acionadas já.

A inteligência epidemiológica do país precisa ser convocada para estabelecer protocolos, orientações, diretrizes que nos deixem prontos a agir de imediato, com plano e contingência que contemplem todas as possibilidades, mesmo as mais remotas, de chegada da doença.

Economia e medicina não são índices e exames laboratoriais, são gente circulando e convivendo.

Não são, portanto, assuntos privados, que só cada indivíduo digam respeito.

 

 

 

 

 

 

 

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on email
Email

14 respostas

  1. O coronavirus, pelo que li, mata preferencialmente os pobres, desnutridos, debilitados, com menos defesas. No Brasil seria uma tragédia.

    1. Sempre foi assim, então isso não mudou nada. Mas, já tivemos no passado um presidente que morreu no cargo, por causa de uma epidemia.

  2. excelente! (e curioso que o banner tenha vindo sobre plano de saúde. não é uma coincidência, hein)

  3. “Não há motivos para crer, até agora, que o coronavírus vá ser uma epidemia por aqui.”
    Espero que não! Mas, por ocorrência do carnaval, aportaram, muitos navios de turistas, de todo mundo, para assistirem o carnaval. Vamos esperar o período de incubação. Também, aqueles, que vieram por aviões. Me parece, que só dá Europa, virá, cerca de 2000 vôos programados, daqui para frente. Sinceramente, espero, que não venham como hospedeiros do coronavírus. Até porque, ainda é frio na Europa. Portanto, irão preferir, um país tropical e sem o coronavírus para seu período de descanso/férias/lazer. O que as autoridades irão fazer? Não sei! Foi problemático e emblemático, trazer nossos irmãos da China. Será, que acontecendo, seremos, tratados, por ideologia? Quem for de pensamento diferente do déspota que está presidente, esperará. Quem não for será atendido de imediato. Porque, infelizmente, é assim que acontece em nosso país atualmente nas vicissitudes dos brasileiros. Tomara Deus, que eu esteja pensando hipoteticamente.
    Grande abraço!

    1. Pois e agora!? Agora eu entendo essa frase canalha: “Direitos humanos, para humanos direitos.”

  4. Os países ocidentais, que se esmeram em praticar sua xenofobia através de sua mídia dominante, não têm a capacidade dos chineses para enfrentar qualquer surto viral ou epidêmico. Deveriam se mirar no trabalho exemplar que as autoridades sanitárias da China estão praticando que estabilizou o crescimento do surto de Covid-19 na província de Hubei, impediu que se disseminasse pelo país (de mais de um bilhão de habitantes), com o Fator de Crescimento (Growth Factor) já em queda há semanas, os casos críticos diminuindo e o número de pacientes que estão recebendo alta já supera o número de casos novos.

  5. Vão aguardar e agir como foi com o derramamento de petróleo no nordeste!? Se acontecer no Brasil o surto do coronavirus? Se acontecer, e a reação demorar 3 meses, quantos já teriam sido mortos pela epidemia neste meio tempo!?

  6. A classe médica desse país é uma vergonha com raras exceções, apoiaram em massa o golpe e a eleição do Bozo.

  7. Esses dias virou notícia nas rede sociais que nos EUA, um cara procurou o hospital porque ele mesmo suspeitou que podia estar com o conoravírus. Deu negativo, mas mesmo com plano de saúde, saiu devendo 1400 dólares ao hospital.

    Isso serve como recado para os pobres de lá: Se tiver suspeita de coronavírus, não procure médico. Finja que está bem, mesmo que acabe contaminando todo mundo ao seu redor.

    Ah, que delícia o capitalismo, onde a saúde é um direito só dos que tem dinheiro.

  8. Comentário muito realista. Realmente a prevenção de doenças nunca deveria ter sido subestimada.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.